Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Confiança do consumidor cai para menor nível desde 2009

Segundo levantamento mensal da FGV, em abril, ICC registrou queda de 0,8%, depois de ter subido 0,1% em março

Por Da Redação 25 abr 2014, 09h52

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC), que mede a percepção dos brasileiros quanto à economia, recuou 0,8% em abril na comparação com março, atingindo o menor nível desde maio de 2009, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta sexta-feira. O ICC passou de 107,2 pontos em março, quando houve um pequeno avanço de 0,1%, para 106,3 pontos em abril. Dezembro, janeiro e fevereiro também foram meses de desaceleração.

“Depois de sinalizar alguma melhora no mês anterior, as avaliações do consumidor em relação ao momento presente voltaram a piorar, influenciando o resultado do ICC”, destacou a FGV.

Leia mais:

Confiança do empresário cai para menor nível em cinco anos, aponta CNI

Confiança do comércio cai 2,1% no 1º trimestre, diz FGV

Continua após a publicidade

Após meses em queda, confiança do consumidor avança em março

O ICC é dividido em dois indicadores, o Índice da Situação Atual (ISA), que avalia o cenário econômico presente, e o Índice de Expectativas (IE), sobre o futuro da economia. O Índice da Situação Atual caiu 1,9%, passando para 111,6 pontos em abril. Já o Índice de Expectativas recuou 0,4%, a 103,6 pontos, no quinto mês seguido de piora e o menor nível desde fevereiro de 2010.

O índice de confiança é calculado dentro de uma escala de pontuação de até 200 pontos (quanto mais próximo de 200 maior o nível de confiança do consumidor). O levantamento abrange amostra de mais de dois mil domicílios em sete capitais, com entrevistas entre os dias 31 de março e 17 de abril.

Em outros dados divulgados no mesmo relatório, a FGV mostrou que a proporção de consumidores que avaliam a situação atual como boa diminuiu de 15,6% para 14,0%, enquanto a dos que a julgam ruim aumentou de 39,5% para 43,2%.

O cenário econômico para os próximos meses também continua “nebuloso”, observou a FGV. A parcela de consumidores que projetam melhora caiu de 25,0% para 24,4%. Na direção contrária, a dos que preveem piora subiu de 26,6% para 29,6%.

(com agência Reuters e Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade