Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Confiança do consumidor cai ao pior nível desde 2009

Segundo a FGV, há uma maior preocupação com a inflação, mesmo que o índice esteja em desaceleração

Por Da Redação
23 jul 2013, 14h43

A percepção da inflação alta e as manifestações nas ruas fizeram a confiança do consumidor despencar em julho, em comparação com junho, para o menor nível desde maio de 2009, segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV). O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) recuou 4,1% no mês, para 108,3 pontos, ante 103,6 pontos de maio de 2009. A variação da queda foi a maior em 23 meses.

Viviane Seda Bitencourt, coordenadora da sondagem de expectativa do consumidor, destacou que está ocorrendo um descolamento entre os indicadores econômicos feitos por especialistas e a percepção da população.

Ela citou, por exemplo, maior preocupação dos consumidores com a inflação, mesmo que o índice oficial tenha começado a recuar. Outro exemplo é a preocupação com o emprego, que ainda está em patamar alto: o indicador do ICC que mede a percepção da situação atual do emprego despencou 15,3% em julho ante junho. “Não só o aspecto econômico afeta a percepção do consumidor, mas também o psicológico. As manifestações têm um aspecto psicológico, captado pela pesquisa”, disse.

Leia também:

Consumidor global mostra mais confiança e menos preocupação com emprego

Continua após a publicidade

Dólar não intimida e brasileiros gastam 15% a mais no exterior em junho

Confiança na indústria é a mais baixa em mais de 4 anos, diz CNI

O ICC se soma aos índices da FGV de confiança de serviço, comércio e construção, todos com piora das expectativas. A Confederação Nacional da Indústria também aferiu queda de 4,9% na confiança do empresariado industrial de julho.

Segundo Viviane, há uma piora de percepção tanto da parte da oferta, com empresários mais pessimistas, quanto da demanda, com consumidores mais cautelosos, mesmo que a situação financeira da família tenha se mantido estável. “O consumo das famílias não está sendo mola propulsora da economia neste momento”.

Continua após a publicidade

O pessimismo foi sentido principalmente nas faixas de renda mais baixa (renda familiar mensal até 2 000 reais) e mais alta (acima de 9 600 reais). “Pesou mais nas faixas dos extremos”, disse Viviane.

O índice que mede a satisfação com a economia despencou 25,6% para famílias com renda até 2 000 reais. Para todas as classes juntas, a queda foi de 9,7%. Segundo a especialista, houve uma migração da insatisfação das outras faixas de renda, que percebem mudanças na economia mais rapidamente, para a mais baixa neste mês. Juros altos, inflação e mercado de trabalho estão entre os itens que pesam no resultado.

O quesito que mede o grau de satisfação dos consumidores em relação à situação econômica presente despencou 18,2%, para 67,8 pontos, o pior desde maio de 2009. “A situação financeira está muito incerta, reflete uma preocupação com o mercado de trabalho”.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.