Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Confiança do consumidor cai 1,7% em junho, aponta CNI

Por Célia Froufe

Brasília – Depois de uma onda de otimismo em maio, a confiança do consumidor brasileiro caiu 1,7% em junho na comparação com o mês anterior, de acordo com a pesquisa Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (Inec), divulgada nesta segunda-feira pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O índice recuou de 114,6 para 112,6 de um mês para o outro, voltando ao mesmo patamar verificado nos meses de abril deste ano e do ano passado.

Na avaliação da CNI, a queda deve ser atribuída, principalmente, a uma preocupação maior com o desemprego e com uma situação financeira mais desfavorável. Estes são dois dos seis componentes do Inec. Para o economista da entidade, Marcelo Azevedo, a diminuição do indicador em junho não é motivo de preocupação, já que continua em um patamar elevado e segue no mesmo nível dos últimos 12 meses. “Mas demonstra claramente que o aumento de abril para maio, de 113 para 114,6, foi incomum, um ponto fora da curva”, comparou.

Conforme pesquisa divulgada à imprensa, o indicador que mede a expectativa em relação à manutenção do emprego teve uma queda de 7,8% de maio, quando estava em 135,2, para 124,6 em junho. “Foi forte esse aumento em relação ao medo do desemprego, chamando a atenção. Apesar disso, o indicador continua na média dos últimos 12 meses”, disse Azevedo.

O índice que mede a situação financeira dos brasileiros retomou a trajetória de queda, que havia sido interrompida em maio. O indicador recuou 3%, de 114,4 para 111. Esta foi a quarta queda no ano, o que levou o indicador a registrar o menor patamar desde setembro de 2009. “A avaliação do consumidor em relação a sua própria situação financeira está bastante negativa.”

A preocupação do brasileiro com os preços da economia também voltou a aumentar, conforme o levantamento da CNI. O índice que mede a expectativa de inflação recuou 1,5%, de 144,2 para 112,5. Como quanto maior o indicador, melhor a percepção do consumidor em relação a um assunto, a diminuição da expectativa em relação à inflação significa que há uma preocupação maior sobre uma possível disparada dos preços. De qualquer forma, Azevedo salientou que a piora deste segmento não é preocupante, pois foi a primeira queda em seis meses depois de cinco altas seguidas e segue em um patamar elevado.

O endividamento dos consumidores também ainda não é motivo de alarme, conforme a pesquisa Inec, já que o indicador relativo de endividamento melhorou no mês, subindo 0,2%, de 105,1 para 105,3. “Ainda que o indicador esteja baixo, está na mesma faixa em que se encontrava há um ano”, trouxe o comunicado à imprensa. Em relação às compras de maior valor, o indicador teve queda de 0,2%, de 112,1 para 111,9. O Inec foi realizado entre os dias 16 e 19 de junho pelo Ibope Inteligência a partir de 2.002 entrevistas em 141 municípios.