Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Confiança do comércio é a menor desde setembro de 2018, diz FGV

Segundo a pesquisa, resultado reflete as dificuldades encontradas por empresários do setor para engrenar um ritmo forte de vendas no segundo trimestre

O Índice de Confiança do Comércio recuou 5,4 pontos em maio, para 91,4 pontos, segundo dados divulgados nesta sexta-feira, 24, pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV/Ibre). É o pior desempenho desde setembro de 2018.

Segundo a FGV, “a nova queda expressiva da confiança do comércio sugere que os empresários do setor ainda estão encontrando dificuldades com o ritmo de vendas no segundo trimestre. Os indicadores de situação atual refletem o fraco desempenho da atividade no início de 2019”, informou, em nota.

O índice varia de 0 a 200 pontos e é formado por indicadores que mostram a expectativa dos empresários do setor no cenário atual e futuro. Quanto maior a pontuação, mais confiante está o comércio em relação ao seu próprio negócio e à situação geral da economia do país.

A confiança com a situação atual recuou 4 pontos, para 88,3 pontos, o menor nível desde janeiro de 2018. Já as expectativas com o futuro registraram valor abaixo de 100 pontos (94,8 pontos em maio) ao cair 6,6 pontos, o pior nível desde setembro de 2018 (93,2 pontos).

“Os empresários continuam revendo suas expectativas, resultado de uma frustração com o cenário apresentado até agora. A volta da recuperação da confiança ainda depende da redução dos níveis de incerteza, dos números mais positivos do mercado de trabalho e da retomada da confiança do consumidor”, diz a nota da FGV.

A pesquisa também identificou o ambiente político como principal problema a atrapalhar o ambiente de negócios, na visão dos empresários do setor. O quesito é medido na pergunta sobre os fatores que estão limitando a melhora dos negócios. Ali, as empresas podem descrever fatores que considerem importantes e que não estejam listados entre as opções de resposta oferecidas no questionário. As respostas abertas são agregadas em três principais temas: fatores políticos, fatores econômicos e outros.

“O resultado sugere que os fatores políticos continuam contribuindo para a limitação da melhoria do ambiente de negócios do setor e também com a cautela adotada pelas empresas na hora de planejar os próximos meses. O percentual de empresas citando fatores políticos como uma limitação ficou em 6,7%, o maior desde outubro passado quando registrou 9,4%”, diz a nota da FGV.

A coleta de dados para a edição de maio da Sondagem do Comércio foi realizada entre os dias 1º e 22 do mês e obteve informações de 843 empresas. O resultado vem em linha com a confiança do consumidor, divulgada na quinta-feira 23 pela FGV. O índice atingiu o menor patamar desde outubro de 2018.

(Com Estadão Conteúdo)