Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Concessões reduzirão custo Brasil, diz Augustin

Para o Tesouro Nacional, reduzir custo país é prioridade do governo e novas medidas podem contribuir para tarifas mais baixas

Por Da Redação 6 set 2012, 19h01

O secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, negou nesta quinta-feira que haja algum tipo de “privatização” no programa de concessões que o governo lançou. Segundo ele, o programa visa criar um ambiente econômico em que, com a parceria da iniciativa privada, se possa ter uma infraestrutura a custo baixo barato. O secretário disse que o governo está muito otimista com a capacidade de o programa conseguir reduzir o custo Brasil de forma significativa com tarifas mais baixas.

“O governo vem trabalhando como uma das suas prioridades a redução de custo da economia brasileira, que pode ser feita de várias maneiras, para termos um conjunto de tarifas da área de infraestrutura com preços menores”, destacou. Segundo ele, esse objetivo está refletido na modelagem desenhada.

Leia mais:

Com PAC das Concessões, Dilma retoma as privatizações

Dilma diz que concessões são decisivas para desatar nós

Continua após a publicidade

Dilma anuncia redução na conta de luz

Augustin avalia que, no caso das ferrovias, a participação do Estado é muito importante para reduzir o risco. “Nós estamos permitindo com a compra da capacidade de carga do poder público e a sua venda subsequente que haja um investimento com risco pequeno”, disse o secretário. Em sua avaliação, isso é fundamental para que o investidor possa participar do empreendimento.

Ele destacou que a modelagem desenvolvida nas concessões é a de que não haja o pagamento de outorgas e visa propiciar a maior concorrência possível. “Nós temos em algumas áreas ainda estruturas do ponto de vista legal muito complexas. No caso de portos há uma complexidade muito grande. É preciso fazer uma estudo amplo do ponto vista de alterações que possam ser feitas para melhorar o sistema”, acrescentou.

Licitação x privatização – O tipo de licitação em que o vencedor do leilão não se torna dono do ativo arrematado, mas sim um concessionário que terá de devolvê-lo após prazo previamente determinado, foi a opção em diversos certames realizados pelo governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Este tipo saída para o estímulo ao investimento – o mesmo que a presidente Dilma Rousseff agora quer adotar – foi chamado, ao longo de anos, de privatização pela oposição formada por partidos de esquerda, inclusive o PT. Especialistas entendem que toda transferência de ativos – temporária ou definitiva – configura sim privatização. Como o PT demonizou o termo por muito anos, agora se lança numa cruzada para reordenar a linguagem usual: é o PAC da língua portuguesa.

(com Agência Estado)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês