Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Comparações com governo FHC precisam ser mais honestas’

Futuro ministro da Fazenda de um possível governo de Aécio Neves, Armínio Fraga se defende de acusações do PT sobre a gestão econômica nos anos FHC e pede um debate mais transparente durante a campanha

Mal começou a segunda fase da corrida presidencial e a artilharia petista já se empenha em desconstruir os feitos do governo Fernando Henrique Cardoso (FHC) para atacar a campanha de Aécio Neves. A retórica dos “fantasmas do passado” tem sido usada para assustar eleitores. Dilma Rousseff cita os juros altos da época e a taxa de desemprego como tática de guerra, sem explicar que tais medidas foram necessárias para que o país recuperasse a estabilidade. Nesta quarta, em Teresina, a candidata chegou a dizer à população da capital piauiense que o PSDB “despreza o Nordeste”. Segundo Armínio Fraga, que pilota a equipe econômica da campanha de Aécio e será o ministro da Fazenda caso o tucano vença, as comparações precisam ser contextualizadas. “É natural que, passados doze anos, muita coisa tenha melhorado no Brasil, como resultado do controle da inflação e da estabilidade. É preciso ser cuidadoso na hora de comparar”, afirmou o economista em entrevista ao site de VEJA. Segundo Fraga, que foi presidente do Banco Central de 1999 a 2002, a alta dos juros era a única forma de permitir o controle da inflação após a flutuação cambial colocada em prática em 1999. Após os ajustes, a economia retomou a trajetória de crescimento. “Apresentadas fora de contexto, as informações não fazem jus ao desafio que se enfrentou anos atrás. Fernando Henrique assumiu o país com hiperinflação, moratória, onde um telefone custava o equivalente a 30.000 reais. E entregou a Lula um país com inflação controlada, um país estável”, diz. Leia trechos da entrevista.

O debate econômico é de extrema importância nestas eleições. Mas, de certa forma, o eleitor médio nem sempre entende as informações que são apresentadas. Como o PSDB tem feito para se comunicar com esse eleitor sobre os problemas econômicos que o Brasil enfrenta?

O brasileiro está percebendo aos poucos o que está acontecendo. É da natureza do modelo populista que as interferências na economia demorem um tempo até serem percebidas. E as pessoas já estão sentindo a inflação pesar no bolso, as coisas estão mais caras, o orçamento está mais apertado e, para muita gente, pagar o crediário tem sido um desafio. Na outra ponta, o emprego já não é mais o mesmo, a indústria está cortando vagas e a população está vendo isso. Há uma percepção clara de que as coisas não estão bem.

Leia também:

Armínio Fraga está confirmado – mas só ele

Após derrota de Marina, Giannetti declara apoio a Aécio

Uma das principais reclamações dos empresários em relação ao governo Dilma é a mudança de regras. Se Aécio Neves ganhar, abandonar de imediato as políticas de intervencionismo significa mudar novamente as regras. Como conduzir isso sem maiores estragos?

A base de tudo é a clareza e a transparência, algo que não vemos hoje. O problema não são as regras, mas a forma como são impostas. O que atrapalha é quando a mudança é arbitrária, aleatória, feita de acordo com o ponto de vista de um indivíduo ou de um setor. Em infraestrutura, por exemplo, os investimentos estão travados. Dar clareza para esse investidor em relação às condições de investimento e sobre como o governo vai cumprir sua parte é primordial. A infraestrutura depende, em muitos aspectos, do governo. Não se pode ignorar isso. Para que o dinheiro volte a entrar no setor, é preciso mudar todo o regime, não apenas regras. É preciso que o investidor confie novamente.

O setor elétrico foi alvo de muitas mudanças regulatórias que impactaram a saúde das empresas, em especial as distribuidoras de energia. Agora, o contribuinte paga a conta. Num possível governo de Aécio Neves, como recuperar o equilíbrio?

O setor elétrico será prioridade no primeiro ano e requer urgência. O investimento em energia está atrasado e defasado. Não adianta dizer que o problema é apenas falta de chuva, se o investimento que precisava ser feito não aconteceu. O Brasil foi pego desguarnecido pela estiagem. E esse é um problema criado pelo governo. O que “aliviou” um pouco a pressão sobre o setor foi o baixo crescimento. Uma constatação triste, dado o potencial do país.

O senhor tem prometido conduzir a recomposição da meta fiscal e a queda da inflação ainda em 2015, em caso de vitória. É possível cumprir um prazo tão curto?

Não só é possível, como faremos isso. Muita coisa tem de ser corrigida e eu penso que uma resposta a esse quadro de inflação alta e crescimento baixíssimo exige mais do que um acerto macroeconômico. Também será preciso conduzir a agenda estrutural microeconômica o mais rápido possível. E é possível porque não pretendo fazer tudo sozinho. Há pessoas engajadas cuidando de diversas áreas. Se não for assim, não se conduz a economia de um país.

A reforma tributária com criação do imposto único (o IVA) também em 2015 seria uma hipótese viável?

A reforma tributária vai ter como foco com os impostos indiretos, como ICMS, IPI e PIS-Cofins, e será apresentada logo no início. Estamos trabalhando precisamente nisso. Ela tem algumas etapas que podem ser postas em prática antes de outras. É difícil estimar um prazo exato para se chegar ao fim da linha com o IVA. Mas isso deve ser concluído num prazo de um a dois anos. Talvez mais para dois.

Colocar em prática essa reforma logo no primeiro ano de governo, ao mesmo tempo em que se pretende recompor a política fiscal, não é missão impossível? Afinal, a reforma pode impactar a arrecadação.

Não acho, porque nós não esperamos impacto negativo. Esperamos um impacto inicial neutro, mas que a arrecadação rapidamente se recupere e melhore com a queda na incerteza dos empresários em relação à economia. Em especial, os empresários brasileiros.

O PT já sinalizou que vai usar o desempenho da economia durante o governo FHC para atingir Aécio. Trata-se de um período de taxa de juros e de desemprego mais altas. Qual será a contra-artilharia?

Primeiramente, é preciso olhar as coisas em seu devido contexto. É muito natural que, passados doze anos, muita coisa tenha melhorado no Brasil, como resultado do controle da inflação. É preciso ser cuidadoso na hora de comparar isso. O caso dos juros é um ótimo exemplo. No início de 1999, a taxa de câmbio flutuou aqui no Brasil e criou-se um grande receio de que a inflação voltaria. E fez parte do processo de estabilização lidar com a flutuação do câmbio. Sabia-se, no início, que o trabalho de estabilização não terminaria da noite para o dia. Sabia-se naquele momento que a expectativa de inflação estava desgovernada, entre 20% e 50% ao ano. Havia uma expectativa de que o PIB cairia 4%. Nós tomamos as providências que hoje são bem conhecidas e, no fim, houve crescimento positivo no PIB naquele ano. A inflação encerrou em 9%, bem abaixo das expectativas. Preservaram-se os ganhos do Plano Real e se evitou a indexação. Apresentadas fora de contexto, as informações não fazem jus ao desafio que se enfrentou anos atrás. Fernando Henrique assumiu o país com hiperinflação, moratória, onde um telefone custava o equivalente a 30.000 reais. E entregou a Lula um país com inflação controlada, um país estável. Eu acho sempre bom trazer o exemplo daquela época de maneira honesta. Isso enriquece o debate. Mas, mais importante que isso é se perguntar onde o país está, quais são as perspectivas e o que será feito no ano que vem pra melhorar um quadro econômico que já é bastante desolador. O investimento está travado, a inflação está alta, apesar de todos os controles. Há um quadro fiscal extremamente preocupante, um potencial de crescimento em tendência de queda, recessão técnica. Ou seja, a economia precisa ser debatida e entendida.

Em campanha, o governo insiste que a culpa é da crise internacional.

Fica difícil provar isso quando se analisa as perspectivas mais recentes. O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que o crescimento global este ano será de 3%, e o do Brasil, quase zero. Na América Latina, durante os últimos quatro anos, o crescimento está dois pontos porcentuais acima do Brasil. E olha que na região há Venezuela e Argentina, o que não é exatamente um parâmetro muito exigente. E o Brasil está parado.

O senhor está preparado para ser alvo da campanha adversária?

Eu acho que é do jogo, desde que as declarações sejam verdadeiras. O que tem acontecido comigo é que eles têm citado declarações que eu não fiz. Aí já acho uma coisa mais complicada. E a outra coisa que precisa ser esclarecida é o contexto das comparações. É obrigação de qualquer governo deixar as coisas melhores do que ele encontrou. Então, a comparação com doze anos atrás precisa ser feita com certo cuidado. Mas já se espera que a discussão descambe para o lado contrário ao debate. A esperança é que, no fim, como dizem os antigos, a mentira tem perna curta.

Num período de ajuste fiscal, é possível manter e ampliar a inclusão social?

É essencial que se mantenha a responsabilidade fiscal e que o país cresça para que se possa ampliar as políticas de inclusão. Essa é a base do problema hoje. As políticas sociais nas mãos de um governo que faz a economia crescer serão melhores e mais amplas. Para se ter uma ideia, o crescimento dos gastos sociais nos governos Itamar Franco, FHC e Lula foi de cerca de 1,5 ponto porcentual do PIB em cada um. No governo Dilma, foi de um ponto porcentual. É um exemplo claro de como o baixo crescimento impacta as políticas de inclusão.