Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Companhias aéreas lucram antes da decolagem

Seguros, produtos licenciados e até serviços financeiros são opções de receitas para as empresas lucrarem apesar do alto preço dos combustíveis

Sabe as tarifas por mala despachada e refeição nos voos? Elas são apenas o começo. Agora que as companhias aéreas perceberam quanto dinheiro a mais podem lucrar vendendo mais do que um lugar no avião, elas estão tendo todo tipo de ideia para produzir receita. Vender seguros contra interrupção do voo e mercadorias com seus logotipos são apenas alguns exemplos dessa iniciativa.

A receita gerada por itens não necessariamente ligados às passagens se tornou fundamental para a saúde financeira das crises aéreas, mantendo-as longe do vermelho mesmo quando os preços dos combustíveis sobem. Ano passado, essa receita gerou cerca de 32,5 bilhões de dólares em âmbito mundial, um crescimento de 43,8% sobre os 22,6 bilhões de dólares registrados do ano retrasado, segundo o estudo Estimativa Mundial da Receita Auxiliar da consultoria Amadeus.

Loja da Lufthansa no aeroporto de Frankfurt, na Alemanha, em fevereiro de 2012. A receita obtida com outros produtos, que não passagens, se tornou relevante para as companhias aéreas, protegendo-as do aumento de combustível Loja da Lufthansa no aeroporto de Frankfurt, na Alemanha, em fevereiro de 2012. A receita obtida com outros produtos, que não passagens, se tornou relevante para as companhias aéreas, protegendo-as do aumento de combustível

Loja da Lufthansa no aeroporto de Frankfurt, na Alemanha, em fevereiro de 2012. A receita obtida com outros produtos, que não passagens, se tornou relevante para as companhias aéreas, protegendo-as do aumento de combustível (/)

“As companhias aéreas precisam aprender com a Amazon e gerarem empreendimentos de comércio eletrônico”, diz Raphael Bejar, especialista em receita da Airsavings, empresa de Boulogne, na França, que ajuda as empresas aéreas a cortar custos e encontrar novas formas de aumentar a receita. “Enquanto a companhia aérea pensar do jeito antigo, ela vai morrer. Aquelas que estiverem se mexendo e se transformando terão sucesso.”

Segundo especialistas em receita de empresas aéreas, a Air New Zealand é a primeira entre todas a investir no setor bancário. Ela transformou os membros do clube de viajantes frequentes em clientes de serviços financeiros, dando-lhes um cartão de débito que armazena dinheiro, milhas aéreas e moeda estrangeira.

“Ele nos dá a oportunidade de criar um canal de renda mais amplo, a capacidade de ganhar dinheiro com a conversão de receita do exterior”, disse Simon Pomeroy, diretor de fidelidade da Air New Zealand. A empresa também cobra uma pequena porcentagem quando o cartão é usado e um valor mensal, caso esteja ativo, mas não seja utilizado.

“Ganhamos dinheiro com o uso individual e coletivo do cartão todo dia”, declarou Pomeroy, assinalando que o cartão dá à Air New Zealand uma fonte de receita não afetada pela tirania dos preços dos combustíveis. “Se o combustível subir, continuaremos ganhando dinheiro.”

No mês seguinte ao lançamento do cartão, em dezembro, 100.000 pessoas decidiram ativá-lo, um começo promissor, avaliou Ben Woolsey, diretor de marketing e pesquisa de consumo da Creditcards.com. “Posso ver quando isso vai decolar. É positivo para o viajante frequente poder acessar as milhas em vez de entrar na internet e transferi-las. É uma grande inovação.”

A Continental Airlines, que se fundiu à United Airlines ano passado, também está pescando ideias do mundo financeiro. Um ano atrás, ela começou a vender opções nos preços das passagens. O programa, FareLock, permite ao futuro viajante congelar o preço de um bilhete por até sete dias, mediante uma tarifa pequena que a empresa retém independentemente se a compra ser efetuada ou não.

“Programas do gênero têm o potencial de virar bons geradores de receita”, disse Jay Sorensen, que elaborou o relatório da Amadeus. Contudo, ele alertou sobre o impedimento gerado por uma nova regra do Departamento de Transportes dos Estados Unidos, que estabelece o prazo máximo de 24 horas para manter a mesma cotação no caso de voos marcados com pelo menos uma semana de antecedência. Isso pode cortar o número de passageiros que comprem essa opção.