Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Comissão Europeia confia em ‘estabilidade política’ na Itália

Para José Manuel Barroso, se o programa de reforma no país for plenamente implementado aumentará significativamente o potencial de crescimento do país

Por Da Redação 27 fev 2013, 20h09

O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, declarou nesta quarta-feira “confiar na estabilidade política da Itália. Em uma declaração conjunta emitida após reunião com o primeiro-ministro italiano Mario Monti, Barroso considerou que se o atual programa de reforma no país for “plenamente implementado, aumentará significativamente seu potencial de crescimento”.

O encontro entre Monti e Barroso foi oficialmente dedicado à preparação da Cúpula Europeia, que acontecerá entre os dias 12 e 14 de março, em Bruxelas, que estudará a coordenação das políticas da UE em matéria de orçamento, economia e emprego. “A crise ainda não acabou e não devemos diminuir os esforços”, ressaltaram os líderes. “Isso significa continuar com os esforços de consolidação (orçamentária) e de reforma” para “criar crescimento e emprego, e aumentar a competitividade, garantindo a estabilidade fiscal”, destacaram.

A Comissão Europeia fez um apelo na terça-feira para que a Itália “cumpra seus compromissos” referentes ao orçamento e reformas, e disse ter recebido a “mensagem de preocupação” dos cidadãos italianos após as eleições legislativas.

Crise política – O país vive um impasse político. As votações para a escolha dos membros do parlamento italiano terminaram na noite de segunda-feira, sem que houvesse, ainda, uma clara vitória. Apesar de Pier Luigi Bersani despontar na frente, representando a coalização de centro-esquerda, ainda não há garantias de que ele conquiste a maior parte das cadeiras – sobretudo devido à ascensão do ex-premiê Silvio Berlusconi e sua coalizão de centro-direita.

Mario Monti, o tecnocrata que assumiu o governo após a saída de Berlusconi, sofreu nas urnas os efeitos de suas impopulares medidas de austeridade, ficando em quarto lugar na corrida eleitoral. O terceiro lugar ficou com o controverso Beppe Grillo, o candidato que se opõe ao euro e a todas as medidas de austeridade.

Leia mais:

Após eleições, Itália parece ingovernável e estuda soluções

(com Agence France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade