Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Comissão encerra debate sobre reforma e leitura do voto será na quinta

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ainda negocia para incluir estados e municípios na reforma, segundo presidente da comissão

Por da Redação Atualizado em 26 jun 2019, 17h04 - Publicado em 26 jun 2019, 16h48

Após de mais de 30 horas de debates, realizados durante quatro dias, a Comissão Especial que analisa a reforma da Previdência na Câmara encerrou na tarde desta quarta-feira, 26, a discussão sobre o texto do relator Samuel Moreira (PSDB-SP). A leitura do voto complementar que o deputado vai apresentar, no entanto, foi adiada para quinta-feira, às 9h.

Ao encerrar a reunião, o presidente da comissão, deputado Marcelo Ramos (PL-AM), destacou que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ainda negocia para incluir estados e municípios na reforma. “O prejuízo de um dia é menor do que o de não dar solução para entes federativos”, afirmou.

Segundo ele, após a leitura da complementação de voto do relator serão votados os requerimentos de adiamento da votação. Se esses requerimentos forem derrubados, Ramos disse que será estabelecida a data de reinício dos trabalhos da comissão, em acordo com os integrantes do colegiado. Além disso, os deputados terão um prazo para apresentar destaques ainda antes da votação.

  • No total, dos 154 parlamentares inscritos, 127 falaram, além dos líderes que também participaram do debate. Nesta quarta-feira, o plenário esteve esvaziado na maior parte do dia. Deputados favoráveis à proposta se ausentaram da comissão, o que acelerou o debate. A maioria dos discursos foi feito pela oposição. O relator, Samuel Moreira, também pouco falou.

    Nesta quarta-feira, o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) foi o primeiro a falar. “O relatório representa mais um passo no desmonte da Constituição Federal”, criticou. Em seguida, o deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), um dos poucos a favor da reforma a falar durante o dia, defendeu a proposta, mas lamentou que os governos estaduais e municipais tenham ficado fora da reforma.

    A expectativa é que a votação na comissão comece na segunda-feira, 1º de julho, e termine a tempo de se votar a proposta no plenário da Câmara no dia 3 de julho, próxima quarta-feira.

    (Com Estadão Conteúdo)

    Continua após a publicidade
    Publicidade