Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Com pressão inflacionária, mercado estima taxa de juros maior em 2021

Selic, em 2% ao ano, deve subir para 3,5%, segundo Boletim Focus; expectativa para inflação sobe pela terceira semana seguida, mas continua dentro da meta

Por Larissa Quintino Atualizado em 25 jan 2021, 11h46 - Publicado em 25 jan 2021, 09h38

A alta dos preços sentida em 2020 era vista como transitória pelo Banco Central, mas a elevação do preço das commodities no mercado internacional ligou o alerta de que a pressão da inflação possa se estender durante todo este ano. Assim, analistas do mercado financeiro elevaram a previsão da taxa básica de juros, a Selic, para 3,50% ao final de 2021. A informação consta no Boletim Focus, divulgado nesta segunda-feira, 25.

Na última quarta-feira, o Comitê de Política Monetária, Copom, manteve a Selic em 2% ao ano, menor patamar da história, mas retirou o forward guidance, mecanismo que dá uma previsão sobre a manutenção dos juros a mais longo prazo. No comunicado, o BC mostrou preocupação com a inflação e o risco fiscal do país, ao mesmo tempo que chamou atenção para a alta ociosidade da economia, que necessita de juros mais baixos.  Antes mesmo da decisão do Copom, os analistas do mercado financeiro já estimavam alta na Selic para este ano (3,25% ao ano), mas aumentaram a estimativa de juros mais altos após o comunicado. O mercado também elevou a previsão de juros para 2022, de 4,75% para 5%.

No Focus dessa semana, o mercado revisou para cima, pela terceira vez consecutiva, a previsão para a inflação. Para o Índice de Preços ao Consumidor, a inflação oficial do país, a expectativa passou de 3,43% para 3,50%. Mesmo com a alta, a estimativa segue abaixo da meta definida pelo Conselho Monetário Nacional, de 3,75%, com margem de tolerância de 1,5 ponto para baixo ou para cima.

Em 2020, o IPCA ficou em 4,52%, pressionado principalmente pelo preço dos alimentos. O valor ficou acima da meta, de 4% para o ano, mas dentro  da margem de tolerância. Foi o maior valor anual de inflação desde 2016.

Continua após a publicidade

Quando o IPCA está acima do esperado, a Selic tende a aumentar de modo a tentar controlar a inflação. Como o crédito fica mais caro, há menos demanda e a inflação tende a descer. Quando há necessidade de estimular o consumo para aquecer o mercado interno, a taxa de juros tende a cair. Com a ociosidade da economia e a queda na atividade devido à pandemia, a atividade econômica continua baixa. E esse é o desafio  da política monetária no momento. 

PIB

Os economistas consultados pelo Banco Central apontam numa recuperação do Produto Interno Bruto (PIB) de 2021 após a queda histórica de 2020. A perspectiva é que a economia brasileira cresça 3,49% neste ano, após um recuo estimado de 4,37% em 2020. Apesar da crise sanitária ainda não ter ido embora, a expectativa é de continuidade na recuperação das atividades, que passaram por choque no ano passado. Na semana passada, a previsão estava em 3,45%.

A retomada das atividades econômicas, que ganhou fôlego no terceiro trimestre de 2020, somada à expectativa pela vacinação da população são os fatores que o mercado leva em consideração para estimar a recuperação econômica. Além disso, o andamento da agenda de reformas também é essencial para melhorar o ambiente de negócios e destravar investimentos, empurrando assim a retomada.

Vale lembrar que fatores externos impactam o desempenho da economia, incluindo doenças e política externa. No ano passado, por exemplo, a previsão era de crescimento de 2,3% no início do ano, mas o choque de demanda trazido pelo coronavírus impactou em recessão. A estimativa de recuo da economia brasileira em 2020 é de 4,36%, segundo o Focus divulgado nesta segunda. O resultado do PIB do ano passado será revelado no próximo mês de março.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.