Clique e assine a partir de 9,90/mês

Com greve na Argentina, TAM e Gol cancelam voos nesta terça

TAM cancelou 19 voos, enquanto a Gol deixará de operar seis; passagens devem ser remarcadas sem custos, dizem as companhias

Por Da Redação - 30 mar 2015, 23h47

As companhias aéreas TAM e Gol, as duas maiores do Brasil, anunciaram nesta segunda-feira o cancelamento dos voos com destino à Argentina, previstos para terça-feira, por causa da greve nacional que deve paralisar os transportes no país vizinho.

Em comunicado, a TAM anunciou o cancelamento de 19 voos partindo de São Paulo, Rio de Janeiro e Assunção, no Paraguai, com destino às cidades argentinas de Buenos Aires, Córdoba e Rosário, assim como dos que sairiam dos aeroportos argentinos.

A maior companhia aérea do país justificou sua decisão pela “paralisação geral prevista para ocorrer nesse país na terça-feira” e disse que os passageiros com passagens para esses voos poderão reprogramar suas viagens para os próximos 15 dias, sem custo adicional.

LEIA TAMBÉM:

Continua após a publicidade

Alta do dólar eleva prejuízo da Gol para R$ 1,1 bilhão em 2014

A Gol, por sua vez, cancelou seis voos previstos para esta terça-feira com destino ou partindo da Argentina e informou que está entrando em contato com os passageiros para reacomodá-los em outros voos a partir de quarta-feira.

A convocação para a greve nacional na Argentina foi feita por vários sindicatos, incluindo o de pilotos e comissários de bordo, que exigem a eliminação de um imposto que afeta os salários. O governo argentino, por sua vez, afirma que a greve tem objetivos políticos, já que o país está em um ano eleitoral.

A greve também paralisará o funcionamento dos trens, dos ônibus e do metrô, entre outros serviços de transporte de curta, média e longa distância.

Continua após a publicidade

A última greve geral enfrentada pelo governo de Cristina Kirchner foi em agosto do ano passado, quando sindicatos opositores, com apoio dos movimentos de esquerda e de setores rurais, organizaram uma paralisação de 36 horas em rejeição às políticas do governo.

(Com EFE)

Publicidade