Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Com forte recessão, Brasil pode cair para 9ª maior economia

Atualmente, o Brasil está na sétima posição; estimativas do mercado para o PIB deste ano indicam que o país pode ser ultrapassado por Índia e Itália

Por Da Redação 30 jul 2015, 09h42

A recessão e o real cada vez mais fraco podem levar o Brasil a perder dois postos no ranking das maiores economias do planeta em 2015. Levando-se em conta as estimativas mais pessimistas do mercado coletadas pelo Banco Central, o país poderá deixar o sétimo posto alcançado em 2014 ao ser ultrapassado por Índia e Itália. Assim, o Brasil, que comemorou o título de sexta potência há apenas quatro anos, pode voltar casas no tabuleiro para terminar dezembro como o nono do ranking.

Diante das apostas de recessão mais acentuada e com a desvalorização acumulada de mais de 20% do real em 2015, o tamanho da economia brasileira medido em dólares pode diminuir até 23% na comparação com o ano passado, revela levantamento feito com dados do Fundo Monetário Internacional (FMI) e estimativas do mercado coletadas pelo Banco Central na pesquisa Focus.

Nesse quadro mais pessimista, o Produto Interno Bruto (PIB) do país pode terminar o ano em 1,81 trilhão de dólares. O cenário usa como parâmetro as piores previsões da pesquisa Focus: contração da economia de 2,8% este ano e dólar médio de 3,23 reais em 2015. A estimativa também leva em conta um deflator de 8,9%. Assim, o tamanho da economia brasileira ficaria atrás da Índia, cujo PIB projetado pelo FMI é de 2,31 trilhões de dólares neste ano, e também da Itália, com expectativa de 1,84 trilhão de dólares.

Se forem usadas previsões medianas da pesquisa Focus – que mostram estimativa intermediária, distante do cenário mais pessimista e do mais otimista -, o PIB em dólares ficaria em 1,91 trilhão de dólares, acima do montante projetado para a Itália. Nesse caso, portanto, o Brasil seria ultrapassado apenas pela Índia e ficaria como a oitava economia do mundo.

Leia também:

Economia em retração não impede BC de elevar Selic a 14,25%

Continua após a publicidade

Após cinco altas seguidas, dólar cai 1% e atinge R$ 3,32

Após avaliação da S&P, Levy tenta acalmar investidor estrangeiro

Há alguns anos, enquanto o mundo desenvolvido recolhia os cacos da crise de 2008, o Brasil despertou a admiração mundial pelo sucesso na condução da economia. O governo chegou a citar que o país poderia ser a quinta economia do mundo até 2020. Em pleno boom de commodities, atingiu o posto de sexta maior economia do planeta em 2011, quando superou o Reino Unido. Em 2012, porém, o país recuou um degrau e devolveu a sexta posição aos ingleses.

“Não estamos em uma corrida de PIBs, mas o quadro global já mostrava que a Índia ultrapassaria o Brasil em 2015. Agora, com a recessão e o real cada vez mais fraco, é óbvio que os números brasileiros pioram ainda mais”, diz o economista do banco espanhol BBVA Research Enestor dos Santos. Ele ressalta que o mercado não toma esse tipo de ranking como indicador, mas no longo prazo, o PIB confirma que o Brasil vive outro ciclo.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade