Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Com financiamento coletivo, site leva crianças ao empreendedorismo

Lançado há dois meses, o Piggybackr possibilita que os pequenos transformem seus projetos em realidade

Por Da Redação 11 jun 2013, 13h09

Graças aos sites de crowdfunding, muita gente conseguiu tirar suas ideias do papel. Hoje, quem tem um projeto, mas não tem dinheiro para torná-lo realidade, pode colocá-lo na internet e tentar angariar fundos de usuários que se identifiquem com a ideia. E agora, uma plataforma também possibilita que crianças dos Estados Unidos possam divulgar seus projetos na internet: o PiggyBackr quer mostrar que foi-se o tempo em que a única forma de as crianças conseguirem algum dinheiro por lá era construindo uma barraquinha de limonada.

O PiggyBackr foi lançado oficialmente em abril, mas já funcionava em versão beta desde maio de 2012. Desde então, cerca de 1,5 mil jovens já conseguiram financiar projetos em tecnologia, cultura e esporte. O valor arrecadado nas campanhas desde que o site entrou no ar é de aproximadamente 250 mil dólares.

Dentre os projetos, destacam-se as iniciativas de jovens como Alexa Adams, que conseguiu arrecadar 2,5 mil dólares para desenvolver um aplicativo para o Google Glass voltado para deficientes auditivos. A ideia é criar uma tela que simbolize a audição dessas pessoas. Por exemplo, um deficiente usando um Glass seria alertado do movimento dos carros enquanto estivesse atravessando a rua.

Outro caso é um grupo de garotas de Chicago, que conseguiu 5 mil dólares para a criação de um centro de tecnologia. O objetivo da iniciativa é tornar mais amigável o acesso das meninas à área da tecnologia da informação, normalmente dominado por homens.

Leia ainda: Financiamento coletivo na web agora tenta salvar vidas

O esporte brasileiro descobre como é bom o crowdfunding

Violonista faz ‘vaquinha virtual’ para estudar em Londres

A plataforma foi criada após seus criadores, três jovens empreendedores da Califórnia, perceberem que, apesar dos avanços tecnológicos, as crianças e adolescentes ainda ganhavam dinheiro “vendendo barras de chocolate, revistas e outros itens com margem de lucro pequena”. “O Piggybackr é a nossa resposta para o que é a arrecadação de fundos no século 21: algo divertido, educativo e um esforço conjunto de amigos, família, negócios locais e empresas com paixão em apoiar a juventude”, diz a descrição do site.

Continua após a publicidade

Pequenos, mas com um coração enorme – Além de auxiliar as crianças em seus projetos, o Piggybackr abre espaço para jovens que querem angariar fundos para outros objetivos tão nobres quanto. Sabrina, uma menina de oito anos, quer arrecadar dinheiro para uma organização que trata animais feridos. Ela também costuma pintar as unhas de suas amiguinhas – o dinheiro que recebe pelo “trabalho” de manicure também vai para a instituição.

Também há projetos de jovens que querem comprar cadeiras de rodas para jogadores paraolímpicos de basquete, garotos que angariam fundos para ajudar o meio ambiente e de grupos que querem melhorar a infraestrutura de suas escolas.

Os projetos que conseguem ser financiados precisam ceder 5% do valor total à equipe do Piggybackr. De acordo com o site, crianças com menos de 13 anos precisam da autorização dos pais para poder colocar seu projeto na plataforma, que está disponível apenas para crianças dos Estados Unidos.

Leia também:

Brasil é um dos piores países para empreender

Brasileiro lança clube global de empreendedorismo

Empreendedor vive bom momento para investir em inovação

Continua após a publicidade

Publicidade