Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Com avanço na vacinação, criação de vagas nos EUA sobe 128% em um mês

Payroll de fevereiro aponta criação de 379 mil novas vagas, puxadas por lazer e hotelaria; no mercado financeiro, dado causa receio por inflação

Por Luisa Purchio Atualizado em 5 mar 2021, 21h48 - Publicado em 5 mar 2021, 11h22

O Payroll, indicador que mede a temperatura da situação do emprego nos Estados Unidos, foi divulgado nesta sexta-feira, 5, trazendo otimismo sobre a recuperação da economia americana. De acordo com o Departamento de Estatísticas do Trabalho dos EUA, em fevereiro foram criadas 379 mil novas vagas de trabalho, crescimento de 128% em relação ao mês anterior, levando em consideração os dados revisados de janeiro. A expectativa dos economistas era que 182 mil vagas seriam adicionadas no mercado de trabalho, apenas 48% do número apresentado. Para janeiro, o dado foi revisado de 117 mil vagas criadas para 166 mil.

O dado acima da média indica que os avanços na vacinação dos americanos contra a Covid-19 está impactando substancialmente a economia do país, mesmo que no mês o país tenha sofrido com o inverno rigoroso, principalmente no Texas. O número de vagas criadas é o mais alto desde novembro do ano passado, quando 638 mil novos postos de trabalho foram criados.

“O mercado de trabalho continuou a refletir o impacto da pandemia de coronavírus (Covid-19). Em fevereiro, a maior parte dos ganhos de empregos ocorreu nas áreas de lazer e hotelaria, com menores ganhos em serviços de ajuda temporária, cuidados de saúde e assistência social, comércio a retalho e fabricação. O emprego diminuiu no governo estadual e local de educação, construção e mineração”, disse o relatório.

A estimativa é que a recriação de empregos continue a ocorrer e aumente conforme a flexibilização de medidas por lá. Na quarta-feira que vem, diversos estados americanos reabrirão as suas economias, inclusive com a dispensa do uso de máscaras. A decisão é polêmica devido ao aumento no número de infectados no país, mas indica que a economia pode tomar um fôlego ainda maior nos próximos dias.

“Se considerarmos a reabertura da economia, o pacote de quase 2 trilhões de dólares de incentivos e o ritmo de vacinação, o impacto no crescimento deve ser bastante forte”, diz Adriano Cantreva, analista da Portofino Multi Family Office. No mercado financeiro americano, porém, o dado não teve um impacto tão positivo. Logo após a sua divulgação, houve uma alta repentina nos índices futuros da bolsas de Nova York, como o Dow Jones mini, mas esta subida não se sustentou com a rentabilidade dos Títulos Públicos americanos para 10 anos subindo ainda mais. “Dado que o Fed está bem acomodativo e deve esperar para subir taxas, o mercado está desesperado que a inflação vai subir”, diz Cantreva.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)