Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Cobrança de bagagem não garante menor preço, diz Gol

Segundo o presidente da Gol, Paulo Kakinoff, é certo que a tarifa para quem viajar sem mala será menor do que o preço pago por quem despachar bagagem.

O início da cobrança de bagagem pelas companhias aéreas, que deverá ocorrer a partir de 14 de março, quando entrar em vigor a nova norma da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), não garantirá bilhetes de voo mais baratos, na comparação com os patamares atuais. Segundo o presidente da Gol, Paulo Kakinoff, é certo que a tarifa para quem viajar sem mala será menor do que o preço pago por quem despachar bagagem.

O executivo disse, porém, que não há projeção de redução de preço por parte da Gol. “(O consumidor) não vai comparar meu preço antes e depois da regra. Vai comparar o meu preço com o do meu competidor (no dia em que quiser viajar).” Kakinoff acrescentou ainda que as tarifas aéreas são dinâmicas, variando conforme procura, data da viagem e câmbio – já que cerca de 50% dos custos do setor estão atrelados ao dólar.

A nova regra da Anac atende a uma demanda antiga do setor aéreo, que defendia o fim da franquia de bagagem gratuita, de até 23 kg por passageiro nos voos nacionais, com o argumento de aproximar as normas brasileiras aos padrões internacionais. Hoje, apenas Venezuela, Rússia e México também exigem que as companhias aéreas transportem pelo menos uma mala sem cobrar, segundo a própria agência reguladora.

Para Kakinoff, o fim da franquia deverá aumentar a concorrência entre as companhias aéreas, o que poderá acabar beneficiando o consumidor. “A possibilidade de poder cobrar a mala não traz outra coisa senão a intensificação da competição. Cada companhia vai precificar o que cobrar da mala e se vai ou não cobrar.”

O executivo diz que, a bagagem grátis ou uma tarifa de despacho menor podem ser itens importantes na hora de conquistar a preferência do cliente. Hoje, a Gol tem 38,8% de participação no segmento de voos domésticos, enquanto a Latam fica na segunda posição, com 31,3%.

Apesar do crescimento na participação de mercado e da melhoria nos resultados financeiros (a empresa teve lucro líquido de 1,1 bilhão de reais em 2016, revertendo o prejuízo de 4,3 bilhões do ano anterior), a empresa ainda enfrenta desafios financeiros. Sua dívida total, por exemplo, chega a 6,4 bilhões de reais.

Capital externo

Uma abertura total do setor aéreo ao capital estrangeiro – medida que já é consenso no governo – favoreceria a Gol, que poderia receber mais recursos de uma parceira internacional. Segundo Kakinoff, a posição da aérea de defender o fim da restrição ao capital estrangeiro se dá por princípio, e não por interesse próprio.

O executivo, porém, admite que a medida beneficiaria a Gol em vários níveis. Além de injetar capital, um acionista estrangeiro poderia colaborar para a empresa ter uma reputação melhor no mercado. Segundo fontes de mercado, uma das candidatas a ampliar sua fatia na Gol, caso a mudança seja mesmo aprovada, seria a americana Delta, que já detém mais de 9% da companhia.

O fim da restrição também abriria caminho para a companhia aérea avançar para o Novo Mercado (segmento da Bolsa que lista as empresas com maior nível de governança corporativa), o que ajudaria a posicionar melhor as ações da aérea. Hoje, por ter acionistas com e sem direito a voto, em razão do teto de 20% do controle no setor aéreo, a empresa precisa manter dois tipos de papéis para cumprir a legislação.

Austeridade

Kakinoff afirmou ainda que, enquanto as mudanças regulatórias não se concretizam, a estratégia da empresa tem sido o corte de despesas. Entre as medidas adotadas pela Gol para sobreviver a 2016, um dos piores anos da história do setor, foi diminuir a oferta de assentos. O executivo diz que, no cenário econômico atual, não está descartada a hipótese de a empresa devolver aeronaves neste ano para reduzir ainda mais essa oferta.

Para André Castellini, da consultoria Bain & Company, a redução da oferta, realizada no ano passado não só pela Gol, mas por todas as companhias brasileiras, foi uma mudança acertada para que elas deixassem de queimar caixa. Se o dólar se mantiver no atual patamar e o País crescer cerca de 1% em 2017, as empresas conseguirão ter lucro novamente e atingir uma meta operacional de 5% a 7%, como pretende a Gol.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Fernando Cesar Romo Rojas

    Tudo Pilantra Sempre a Mesma Lenga Lenga , Antes de implantar este sistema de cobranças segundo eles ia reduzir os Preços , Agora vem com esse Papo Furado , O Negocio e Faturar , nao interessa o Cliente

    Curtir

  2. Mint Mídias Interativas

    Para aceitar capital estrangeiro no capital da cia aérea eles querem, mas para que a cia estrangeira concorra com eles aqui dentro eles são contra. Nosso país é o atraso total. Corporativista e sindical. Temos que abrir este paíspara podermos nos desenvolver. Estamos fadados ao atraso eterno.

    Curtir

  3. Garantirá sim antipatia e menos passageiros!

    Curtir

  4. George Brandão

    É claro que esses vagabundos jamais tinham a intensão de baratear o preço das passagens com a cobrança das bagagens. Neste lixo de país tudo sempre é pensado em prejuizo do povo e a favor dos bandidos que pagam propinas para os bandidos do planalto.

    Curtir

  5. Felix Alberto Macedo

    Gostaria que a ANAC fizesse uma vistoria nos aviões das companhias aéreas e medisse o espaço entre uma poltrona e a da frente para verificar se é possível o passageiro ficar naquela posição fetal recomendada pelas próprias companhias em seus cartões de vôo para os casos de aterrissagem de emergência.

    Curtir

  6. Napoleao Gomes

    É óbvio que o preço das passagens não vão cair. As agências reguladoras sempre trabalham descaradamente contra o brasileiro! É por isso que penso que os diretores dessas agências deveriam serqueimados incluindo seusdescendentes numa rua do país.

    Curtir

  7. Ricardo Lima

    Esse é o problema que os ditos ¨liberais¨ não entendem. O capitalismo brasileiro é diferente. O grande capitalista brasileiro não entende conceito de risco. Só quer lucrar sem correr riscos. Busca todas as garantias possíveis do Estado mas se não for ¨forçado¨, não oferece nada em troca.

    Curtir