Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

CNI: otimista, inflação preocupa menos o consumidor

Por Da Redação 28 jul 2011, 12h59

Por Equipe AE

Brasília – O Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (Inec) de julho, calculado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), ficou em 113,2 pontos. Houve uma elevação de 1,3% em relação ao Inec de 111,8 pontos registrado em junho, o que representa maior otimismo entre os consumidores brasileiros. O resultado foi divulgado hoje pela CNI. “Otimismo do brasileiro aumenta após dois meses de estabilidade”, avalia a confederação, ao comentar o resultado.

“O crescimento do índice em julho foi causado principalmente pela redução da preocupação dos consumidores com o aumento da inflação”, explica o economista da CNI Marcelo Azevedo. Em julho, 61% dos entrevistados disseram acreditar que haverá aumento inflacionário, enquanto em junho esse porcentual era de 69%. A pesquisa foi realizada entre os dias 14 e 18 de julho, com 2.002 pessoas. Apesar da recuperação frente o resultado de junho, o Inec deste mês ficou abaixo do que foi apurado em julho de 2010, quando atingiu 116,8 pontos.

O Inec é composto por seis indicadores. O índice referente à expectativa do consumidor em relação à inflação, que marcava 100,4 pontos em junho, subiu para 108,6 pontos em julho. “O que demonstra perspectivas mais otimistas dos consumidores”, destaca a confederação. O indicador relativo à expectativa de desemprego, que havia ficado em 130,6 pontos em junho, caiu para 129,3 pontos este mês. Já o índice sobre a expectativa de renda pessoal, que marcou 112,1 pontos em junho, alcançou 114,0 pontos em julho. O indicador sobre a situação financeira, que havia ficado em 111,7 pontos, no mês passado, aumentou para 113,7 pontos em julho. O índice relativo ao endividamento, que havia ficado em 105,6 pontos em junho, subiu para 106,9 pontos este mês. Já o índice sobre compras de bens de maior valor caiu de 111,9 pontos no mês passado para 110,8 pontos este mês.

Todos os seis indicadores de julho deste ano, entretanto, registraram queda em relação a julho do ano passado. “Ou seja, as expectativas para os próximos seis meses acerca de inflação, desemprego, renda e compras são menos otimistas que em julho de 2010”, cita documento da CNI sobre a pesquisa. Segundo a confederação, na comparação entre julho deste ano e julho do ano passado, os destaques são o aumento do pessimismo em relação à inflação (108,6 pontos em julho deste ano ante 118,9 pontos em julho do ano passado) e endividamento (106,9 pontos em julho deste ano frente 113,0 pontos em julho do ano passado). A CNI destaca que o indicador de expectativa de desemprego deste mês (129,3 pontos) é o menor desde junho de 2010 (quando havia caído a 126,9 pontos).

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês