Clique e assine a partir de 9,90/mês

A aposta do mercado para o dólar e reforma com cada um dos presidenciáveis

Levantamento mostra que mercado está dividido sobre desempenho da Bolsa com eventual vitória de Bolsonaro

Por Ana Paula Machado - Atualizado em 6 set 2018, 12h53 - Publicado em 6 set 2018, 10h41

Levantamento da XP Investimentos mostra quais são as apostas do mercado financeiro para o dólar, juros, inflação e aprovação da reforma da Previdência dependendo de qual dos principais presidenciáveis vença a eleição de outubro. Os cenários consideram a possível vitória de Jair Bolsonaro (PSL), Marina Silva (Rede), Geraldo Alckmin (PSDB), Ciro Gomes (PDT) e Fernando Haddad (PT).

Em relação ao dólar, 87% acreditam que o dólar chegue a 4,40 reais ou mais com a possível vitória de Ciro. Se o eleito for Haddad, 85% apostam que a moeda chegará a esse mesmo patamar. Com Marina no Planalto, apenas 3% acreditam que o câmbio alcance 4,40 reais ou mais. Quando o vencedor é Bolsonaro, o porcentual cai para 1%. Quando o cenário leva em conta a vitória de Alckmin, o mercado estima uma valorização menor da moeda americana: 8% aposta que a moeda possa ficar entre 3,80 e 4 reais.

R$ 3,40 ou menos R$ 3,40/R$ 3,60 R$ 3,60/R$ 3,80 R$ 3,80/R$ 4 R$ 4/R$ 4,20 R$ 4,20/R$ 4,40 R$ 4,40 ou mais
Bolsonaro  1%  11%  32%  32%  17%  6%  1%
Ciro  3%  10%  87%
Marina  1%  5%  24%  34%  22%  11%  3%
Alckmin  22%  41%  29%  8%
Haddad  3%  11%  85%

 

A percepção do mercado sobre o desempenho da Bolsa com a vitória de Bolsonaro está dividida: 51% indicam que o Ibovespa ficaria abaixo de 85 mil pontos, enquanto 49% aposta que ficaria acima de 85 mil pontos. O cenário mais otimista leva em conta a vitória de Alckmin: 90% entendem que o Ibovespa avançaria para acima de 85 mil pontos. Se a vitoriosa fosse Marina, 26% acham que o Ibovespa ficaria em no máximo 85 mil pontos. O desempenho cairia para no máximo 80 mil pontos com a vitória de Ciro (45%) e Haddad (46%), na opinião dos entrevistados.

A aposta do mercado para a taxa Selic é que o juro básico da economia iria para 10% ao ano com a vitória de Ciro ou Haddad. Se o vencedor fosse Bolsonaro, o juro teria uma taxa máxima de 8% para 21% dos entrevistados. Com Alckmin e Marina, 23% preveem que a Selic chega no máximo a 8%.

Quando perguntados sobre qual candidato tem mais chance de aprovar a reforma da Previdência, 95% veem essa possibilidade com o governo Alckmin. O porcentual também é alto no caso da vitória de Bolsonaro ou Marina, 76% e 68%, respectivamente. Com Ciro e Haddad, o porcentual cai para 38% e 36%, respectivamente.

O levantamento entrevistou 281 investidores entre os dias 28 e 31 de agosto. Os participantes responderam a questões sobre o que deve acontecer com a cotação do dólar, com a reforma da Previdência e as negociações na Bolsa diante da vitória de cada um dos candidatos mais bem avaliados nos levantamentos de intenção de voto.

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade