Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Chipre pede ajuda financeira para zona do euro

O Chipre apresentou nesta segunda-feira uma solicitação de ajuda financeira à zona do euro, tornando-se assim o quinto país da União Europeia a procurar a ajuda de seus parceiros.

“O governo da República do Chipre informou às autoridades europeias competentes de sua decisão de apresentar à zona do euro uma solicitação de ajuda

financeira”, segundo um comunicado oficial.

Esta ajuda, que será desembolsada através dos Fundos de resgate europeus FESF e MES, busca “conter os riscos existentes sobre a economia do país (…) provenientes de seu setor financeiro, muito exposto à economia grega”, explicou o comunicado, que não precisou o montante.

Após a Grécia, Irlanda, Portugal e Espanha, que também depositou um pedido formal de ajuda aos bancos nesta segunda-feira, o Chipre é o quinto país da união monetária a recorrer a uma assistência financeira.

Uma fonte diplomática anunciou mais cedo que o Chipre, que se prepara para assumir a Presidência da UE no dia 1º de julho por seis meses, pedirá durante o dia de hoje uma ajuda à zona do euro para socorrer seu setor bancário.

O comunicado não especifica se o pedido de ajuda é baseado no modelo espanhol e, portanto, limitado ao setor bancário, ou se diz respeito a toda a economia do país, o que implicaria no acompanhamento de um programa de ajuste orçamentário.

O Governo do Chipre tinha sugerido anteriormente que ele poderia solicitar assistência antes do final de junho, data limite para o segundo maior banco, o Popular Marfin Bank, obter os 1,8 bilhão de euros necessários para sua recapitalização.

A agência de classificação Fitch rebaixou nesta segunda-feira a nota da República do Chipre à categoria especulativa, passando de “BBB-” para “BB+”, por causa dos temores sobre o sistema bancário.

A Fitch seguiu o exemplo da Standard and Poor’s, que tinha feito o mesmo em janeiro. A Moody’s também o fez em 13 de junho, considerando que o plano para ajudar os bancos do Chipre poderia ultrapassar um montante que representa 10% do produto interno bruto da ilha – cerca de 18 bilhões de euros-, em vez de 5% a 10% previamente propostos.

Nicósia também parecia ter a intenção de pedir a Moscou um empréstimo de 3 a 5 bilhões de euros. A Rússia já concedeu um empréstimo bonificado de 2,5 bilhões de euros às autoridades do Chipre para fechar o seu déficit orçamental em 2012.

O Chipre, que aderiu a UE em 2004 e adotou o euro em 2008, sofreu todo o impacto da crise econômica e financeira que abalou a Grécia, um dos seus parceiros culturais e econômicos.