Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

China propõe fundo de US$ 20 bi para infraestrutura na América Latina

Segundo a presidente Dilma, capital inicial será de 10 bilhões de dólares e poderá estar em operação no ano que vem

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta quinta-feira que a China propôs um fundo para países da América Latina e Caribe para o financiamento na área de infraestrutura, após reunião entre diversos países da região e o presidente Chinês, Xi Jinping, em Brasília.

Segundo Dilma, que passou os últimos dias reunida com diversos chefes de Estado que compareceram à VI Cúpula dos Brics e participou do encontro entre representantes da América Latina e Caribe, o fundo deve ter um capital inicial de 10 bilhões de dólares. “Eles propuseram fazer isso imediatamente para estar pronto no ano que vem”, disse a presidente a jornalistas no Palácio Itamaraty.

Leia também:

Brasil e China fecham acordos financeiros, de infraestrutura e aviação

Dilma e presidente da China lançam “Google chinês”

Banco dos Brics terá sede em Xangai e presidência indiana

Dilma afirma que presidência indiana do banco dos Brics é ‘justa’

Os chineses ofereceram ainda, de acordo com Dilma, uma linha especial de crédito para países da Celac, a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos, que pode chegar até 10 bilhões de dólares.

Além do fundo e da linha de crédito, ficou acertada, na reunião desta quinta-feira, a constituição do Fórum América Latina, Caribe e China. O encontro serviu ainda para os países acertarem a constituição de um fundo de cooperação entre os países das regiões no valor de 5 bilhões de dólares.

A presença do presidente chinês em Brasília para a conversa com os países latino-americanos teve um enorme simbolismo político. A China tem interesse em investimentos na região, sobretudo na área de infraestrutura, e deu seus primeiros passos de aproximação desses países nesta quinta.

Brasil e China assinaram diversos atos de cooperação e acordos energéticos, financeiros e industriais, incluindo a ampliação de linhas de crédito de 7,5 bilhões de dólares para a Vale e a compra de 60 aviões de passageiros da Embraer.

(Com Reuters)