Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

China declara guerra a produtos ‘xing-ling’

Governo chinês vai aumentar a fiscalização sobre o comércio eletrônico para tentar erradicar a pirataria, que prejudica a imagem do país e gigantes do e-commerce, como o Alibaba

A China, muitas vezes associada à pirataria e ao comércio de produtos de qualidade inferior, informou nesta terça-feira que vai aumentar a fiscalização sobre o comércio eletrônico. Com o esforço, o gigante asiático tentará erradicar o comércio desse tipo de mercadoria, que prejudica empresas de e-commerce, como a Alibaba, e a própria imagem do país.

A Administração Estatal da Indústria e Comércio (Saic, na sigla em inglês) planeja aplicar inspeções de qualidade aleatórias sobre produtos que podem ser comprados online, de acordo com um comunicado no site do órgão regulador. A Saic vai levar em conta avaliações dos consumidores e pressionar por cooperação das plataformas de varejo online.

Companhias como Alibaba e JD.com, sua rival, entre muitas outras, têm sido advertidas pelos reguladores chineses por permitir a venda de produtos de baixa qualidade, assim como produtos falsificados – os “xing-ling”, como costumam ser chamados no Brasil. Mas as autoridades também estão ansiosas para acabar com a reputação geral da China como um mercado invadido por riscos à segurança dos consumidores e violações desenfreadas de propriedade intelectual.

Os comerciantes descobertos vendendo produtos que não se enquadram nos padrões dos reguladores serão obrigados a paralisar as vendas, disse a Saic. As plataformas de comércio eletrônico nos quais esses comerciantes operam também serão responsáveis por remover os produtos, de acordo com o comunicado.

“Tudo aquilo que protege o consumidor chinês é uma boa notícia”, disse um porta-voz da JD.com, segunda maior empresa de varejo online do país.

Leia mais:

Economia japonesa entra em recessão – de novo

Magnata chinês é o comprador do diamante mais caro do mundo

(Com Reuters)