Clique e assine a partir de 8,90/mês

China abre investigação sobre importação de frango do Brasil

Produtores do país asiático acusam indústria nacional de vender produto a preços muito baixos; exportações de frango à China movimentam R$ 3 bilhões por ano

Por Da redação - 18 ago 2017, 10h54

A China lançou nesta sexta-feira uma investigação antidumping sobre as importações de carne de frango do Brasil após reclamação da indústria doméstica de que o país está vendendo seu produto abaixo do valor de mercado. O dumping é uma prática ilegal em que empresas com maior poder econômico reduzem excessivamente seus preços para inviabilizar os negócios de concorrentes.

O Brasil é o maior exportador global do produto e respondeu por mais de 50% da oferta de produtos de carne de frango para o país asiático entre 2013 e 2016. As informações são de uma análise preliminar do Departamento do Comércio da China. O país é o segundo maior consumidor global desse item.

Qualquer medida para penalizar as importações avaliadas em mais de 1 bilhão de dólares  (3,17 bilhões de reais) por ano seria um grande golpe para a indústria brasileira de proteínas, abalada mais cedo neste ano pelas revelações da Operação Carne Fraca. A investigação da Polícia Federal apura um suposto esquema de propina envolvendo fiscais sanitários e indústrias.

Mercado

A medida vem em um momento em que a indústria da China se recupera do pior surto de gripe aviária do país em anos. O setor ainda lida com a queda da demanda. “Esta é uma boa notícia para o mercado doméstico de frango”, disse um produtor de frango no norte da China, que se identificou com o sobrenome Tan. “O mercado de frango não tem sido tão bom desde a segunda metade do ano passado. O Brasil está vendendo muito para a China a um preço baixo, enquanto a China possui ampla oferta.”

O Brasil substituiu os Estados Unidos como maior fornecedor de frango depois que a China adotou tarifas antidumping sobre os produtos de frango americanos em 2010. O país asiático é o maior consumidor de carnes do Brasil.

(Com Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade