Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Chery faz recall de 12,5 mil veículos no Brasil

Componentes do motor podem conter substância considerada cancerígena. Companhia afirma, porém, que saúde de passageiros não corre risco

Por Da Redação 29 ago 2012, 12h41

A Chery anunciou nesta quarta-feira um recall de 12.462 carros dos modelos Tiggo e Cielo, alegando que componentes do motor podem conter certa quantidade de amianto (asbestos) – substância considerada cancerígena pela Organização Mundial de Saúde (OMS). No Brasil, o elemento só é proibido no estado de São Paulo (Lei nº 12.684, de 26 de julho de 2007). A montadora chinesa afirma, contudo, que o proprietário e seus passageiros, durante o uso dos veículos, não correm risco de saúde, pois não haveria fricção da peça que espalhe resíduos.

O número de veículos convocados é superior ao que a marca chinesa vendeu em todo o ano de 2012 até julho (10.271), e equivalente a 57,5% das vendas realizadas em 2011 (21.669). A convocação ocorre ao mesmo tempo em que a empresa passa por um recall de 23 mil carros na Austrália por igual motivo – lá o amianto é proibido.

Depois de constatado o componente em carros na Austrália, a empresa iniciou uma busca pela substância em seus veículos exportados. “Dessa investigação foi detectada a possibilidade de que algumas unidades comercializadas no Brasil poderiam apresentar a presença de amianto (asbestos), parte da mesma série enviada à Austrália”, afirma a Chery, em nota à imprensa.

Leia mais:

Toyota, Mercedes e Land Rover comunicam recall ao governo

Continua após a publicidade

GM anuncia recall de 45 mil unidades do Sonic nos EUA

Land Rover inicia recall da Discovery e da Range Rover

Toyota fará recall de modelo RAV4

Os componentes que serão substituídos são a junta do coletor de admissão e escape para o Tiggo e a junta do coletor de admissão para o Cielo. A montadora pede aos proprietários para que não tentem consertar as partes dos carros por conta própria e que vai dar treinamento especial aos seus profissionais no Brasil para execução das trocas.

De acordo com a empresa chinesa, o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, do Ministério da Justiça, vai divulgar aos consumidores mais informações sobre o procedimento de recall, inclusive quando ele irá, de fato, começar.

(Com Agência Estado)

Continua após a publicidade
Publicidade