Clique e assine a partir de 8,90/mês

Cartões de crédito e débito movimentaram R$ 853 bilhões em 2013

Em 2013, 11% do total de operações com cartões feitas não foram presenciais, com destaque para o e-commerce

Por Da Redação - 19 fev 2014, 17h43

O volume financeiro de transações com cartões de crédito e débito em 2013 subiu 17,8% frente a 2012, para 853 bilhões de reais, informou a Associação Brasileira das Empresas de Cartões e Serviços (Abecs). As transações apenas com cartões de crédito registraram 553 bilhões de reais em 2013, alta de 15,3% em relação a 2012. As transações com cartões de débito avançaram 22,5% para 300 bilhões de reais.

O presidente da Abecs, Marcelo Noronha, destacou que o número de transações com cartões atingiu recorde no segundo semestre do ano passado. Ele destacou ainda que do total de 853 bilhões de reais das transações financeiras com cartões no ano passado, 11% (94 bilhões de reais) resultaram de operações não presenciais, a maioria no e-commerce.

De acordo com Noronha, a inclusão digital e financeira responde pelo crescimento de 19,7% das compras por meios eletrônicos. Ele espera que as operações não presenciais cresçam em torno de 20% em 2014.

Leia mais:

Tombini nega risco de bolha de crédito no Brasil

Continua após a publicidade

Empresas começam o ano longe do crédito, indica Serasa

Bancos públicos superam privados no estoque total de crédito em 2013

Taxa para lojistas – A taxa média de desconto do cartão de crédito cobrado do lojista caiu de 2,78% em 2012 para 2,76% em 2013, enquanto no cartão de débito cedeu de 1,59% para 1,56%, ainda de acordo com a Abecs. Em 2009, esses porcentuais estavam em 2,96% nos cartões de crédito e em 1,60% nos cartões de débito.

O presidente da Abecs, Marcelo Noronha, observou que o número de terminais de cartões (chamada popularmente de ‘maquininha’) subiu para 3,8 milhões ao fim de 2013, com 19,7 mil reais de transações por terminal ao mês. Em 2012, o número de terminais era de 3,5 milhões, com um volume financeiro transacionado por terminal por mês de 18,2 mil reais.

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade