Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

“Carro voador” de Israel está perto de chegar ao mercado

Veículo para uso militar, que está em desenvolvimento desde 2001, pode começar a ser vendido em 2020, segundo a fabricante

Por Da redação Atualizado em 4 jan 2017, 10h06 - Publicado em 4 jan 2017, 10h05

Após quinze anos de desenvolvimento, a Urban Aeronautics, uma empresa de tecnologia israelense, acredita que, finalmente, conseguirá colocar no mercado seu drone de passageiro de 1,5 tonelada. O início das vendas está programado para ocorrer até 2020.

Batizado de Cormorant, o “carro voador” pode transportar 500 quilos e viajar a 185 quilômetros por hora. Ele completou seu primeiro voo solo automatizado em novembro. Seu preço total é estimado em 14 milhões de dólares.

Os desenvolvedores da Urban Aeronautics acreditam que o drone verde-escuro, que usa rotores internos em vez de hélices de helicóptero, poderia retirar pessoas de ambientes hostis ou permitir acesso seguro a forças militares.

  • “Basta imaginar uma bomba suja em uma cidade (…) Este veículo pode entrar roboticamente em uma rua, pilotado de forma remota, e descontaminar uma área”, disse Rafi Yoeli, fundador e presidente da Urban Aeronautics.

    Yoeli fundou a empresa em 2001 para criar o drone. Ele afirma que o equipamento é mais seguro que um helicóptero, já que pode voar entre edifícios e abaixo das linhas de energia sem o risco de uma hélice bater nessas estruturas.

    Continua após a publicidade

    Mas ainda há muito trabalho a ser feito antes que o veículo autônomo chegue ao mercado. O Cormorant, do tamanho de um carro de passeio e que já foi chamado de “Air Mule”, ainda não cumpriu todas as normas da Federal Aviation Administration, a agência de aviação israelense. Em um teste realizado em novembro, foram registrados pequenos problemas com dados conflitantes enviados por sensores de bordo.

    De qualquer forma, observadores externos estão otimistas com o veículo. “Ele poderia revolucionar vários aspectos da guerra, incluindo a retirada de soldados feridos em campo de batalha”, diz Tal Inbar, chefe do centro de pesquisa do Fisher Institute for Air and Space Strategic Studies.

    Assista ao teste feito com o Cormorant em novembro:

    [youtube https://www.youtube.com/watch?v=bbDbGuIzabY%5D

    (Com Reuters)

    Continua após a publicidade
    Publicidade