Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Carrefour pode trocar IPO por ‘oferta’ de Abilio

Empresário teria enviado uma proposta de sociedade para a rede varejista no Brasil

Por Da Redação 13 mar 2014, 23h49

No auge da crise societária com Jean-Charles Naouri, dono do Casino, pelo controle do Grupo Pão de Açúcar (GPA), Abilio Diniz inventou uma engenharia financeira que tinha o Carrefour como meio para evitar que o empresário francês passasse a deter o comando da rede varejista brasileira. O desenho parecia perfeito: a redistribuição das ações manteria Abilio como figura central do negócio, afastaria Naouri e faria do Pão de Açúcar-Carrefour uma potência do setor. O acerto não vingou, Naouri fez valer sua preferência para assumir o Pão de Açúcar, Abilio deixou a empresa fundada pelo seu pai e o Carrefour continuou sem um parceiro.

Passados quase três anos daquela tentativa frustrada, Abilio volta a cortejar o Carrefour. Segundo a agência Reuters, o Carrefour estaria estudando a possibilidade de trocar a oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) por um investimento privado de até 5 bilhões de reais coordenado por Abilio Diniz, que poderia voltar ao dia-a-dia de uma rede varejista.

Leia também:

Vendas do comércio crescem 0,7% em novembro

Vendas do Grupo Pão de Açúcar sobem 16,2% no 4º tri

Vendas de Natal têm pior crescimento desde 2003

Nesse período de desinteresse pelo mercado brasileiro de ações, o Carrefour estaria considerando mais viável a chegada de um investidor privado ao risco de afundar na bolsa de valores. As ofertas públicas de ações no Brasil estão no pior nível desde 2004, segundo dados da Thomson Reuters, refletindo a diminuição da confiança de investidores em meio à deterioração das contas públicas e a oportunidade de investimentos considerados mais atraentes em outras regiões. E não há expectativa de melhora significativa do mercado de capitais local no ano que vem.

Continua após a publicidade

No ano passado, Abilio deixou o GPA, vendeu uma parte significativa de suas ações e abriu mão de todos os direitos políticos na maior varejista do país, sendo liberado da cláusula que estabelecia não competição com a empresa. O empresário teria se unido à gestora Tarpon Investimentos e a um outro investidor para o negócio com o Carrefour.

Outro interessado em uma fatia do Carrefour seria um fundo soberano estrangeiro, diz a Reuters. O presidente global do Carrefour, Georges Plassat, afirmou na semana passada que a varejista avalia abrir o capital no Brasil em 2015, mas que também considerava buscar um investidor local.

Leia mais:

Enéas Pestana deixa a presidência do Grupo Pão de Açúcar

Vendas do Grupo Pão de Açúcar sobem 16,2% no 4º tri

Jean-Charles Naouri será presidente do Conselho do Pão de Açúcar

​Família Diniz deixa o controle do Pão de Açúcar após 65 anos

Continua após a publicidade
Publicidade