Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Caoa manifesta interesse pela planta da Ford para produzir caminhão

Decisão sobre a compra da fábrica deve sair até outubro; valores do negócio não foram revelados

Por André Romani 3 set 2019, 17h44

O governador do estado de São Paulo, João Doria, anunciou nesta terça-feira, 3, a manifestação de interesse público da Caoa pela planta da Ford, em São Bernardo do Campo (SP). O fundador da Caoa, Carlos Alberto de Oliveira Andrade, afirmou que a fábrica deve ser utilizada para a produção de caminhões. Porém, sem dar mais detalhes, ele disse que os modelos produzidos no local não serão da Ford. “Será de outra marca. Já estamos com um entendimento e o tema está avançado”, afirmou Carlos Alberto, que acrescentou que “não existe a intenção de ampliar a fábrica”. O valor a que chegaria o negócio não foi divulgado.

De acordo com o governador, a manutenção da produção de caminhões na fábrica é uma das exigências para a compra. Nos próximos 45 dias, Caoa e Ford devem se reunir para definir valores e mudanças no modo de operação da fábrica, como a situação dos empregados. Além dos caminhões, segundo Doria, a depender das tratativas entre as duas companhias, o local também deve sediar uma linha produtiva de automóveis. Na prática, o grupo Caoa manifestou a intenção clara de compra, mas ela ainda não foi consumada. As duas empresas já têm negócios conjuntos no Brasil, o que deve facilitar as negociações.

Segundo representantes do governo e da Caoa, não existe nenhum incentivo fiscal para a compra, mas a ideia não está descartada. “Se encaixar nos padrões, pode vir a acontecer”, disse Doria. Em março, o governo estadual anunciou programa de incentivo fiscal à indústria, em que são oferecidas reduções do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) em até 25% para montadoras que apresentarem planos de investir pelo menos 1 bilhão de reais e que gerarem no mínimo 400 postos de trabalho.

As negociações entre as duas empresas também envolveram os trabalhadores. Representantes da Caoa se reuniram na segunda-feira com trabalhadores do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC para discutir as novas regras trabalhistas. Logo após o anúncio de sua saída, em fevereiro, a Ford iniciou um Programa de Demissão Voluntária (PDV). Os trabalhadores que não optaram por esse modelo, devem ter prioridade na contratação da Caoa, segundo o sindicato. De acordo com o fundador da Caoa, a ideia é manter os empregos integralmente. O compromisso da Caoa é recontratar 850 trabalhadores para a linha de produção.

Segundo o sindicato, em fevereiro, a fábrica mantinha cerca de 2.600 trabalhadores, sendo 600 na área administrativa, que permaneceram com a Ford, e 400 que aderiram ao PDV. Desde então, com o fim da linha de produção do Fiesta, outros 750 foram demitidos. Assim, a expectativa é que a Caoa mantenha os 850 funcionários da linha de produção de caminhões.

Entenda o caso

Em 19 de fevereiro, a Ford anunciou o fechamento da planta de São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo. Na ocasião, a montadora explicou que vai encerrar sua atuação no segmento de caminhões na América do Sul e deixar de comercializar os modelos Cargo, F-4000, F-350 e Fiesta, produzidos apenas no ABC paulista. O motivo, segundo a companhia, é a “ampla reestruturação de seu negócio global”. Governos estadual e federal, com a prefeitura de São Bernardo do Campo, negociam a venda da fábrica para outra empresa automotiva, a fim de manter os empregos na região.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.