Clique e assine a partir de 9,90/mês

Canadá autoriza Burger King a comprar canadense Tim Hortons

Negócio de US$ 11 bilhões é mais um passo da empresa na intenção de se tornar a terceira maior rede de fast-food do mundo

Por Da Redação - 5 dez 2014, 10h09

O governo do Canadá aprovou a oferta de 11 bilhões de dólares feita pelo Burger King para a compra da varejista de café canadense Tim Hortons, removendo mais um obstáculo para a criação da terceira maior cadeia de restaurantes fast-food do mundo. Segundo ranking da revista Forbes, publicado este ano, as principais redes são Mc Donald’s, KFC e Subway.

O acordo, que é em parte financiado por Warren Buffett, desencadeou um intenso debate nos Estados Unidos. Isso porque alguns legisladores acusaram o Burger King de comprar a empresa canadense para poder mudar sua sede para o país vizinho por razões fiscais. O Burger King nega que a aquisição tenha sido motivada por razões tributárias.

Segundo informações do governo do Canadá, a sede global da companhia combinada – que deve somar 23 bilhões de dólares em vendas em mais de 18 mil restaurantes – será baseada em Oakville, cidade no entorno de Toronto.

Leia também:

Continua após a publicidade

McDonald’s venderá café moído em supermercados do Canadá

Burger King vai voltar a vender hambúrguer preto no Japão

Dunkin’ Donuts decide retornar ao Brasil e quer abrir 150 lojas

A localização da sede foi uma das várias exigências que o Burger King aceitou para ter a proposta de aquisição aprovada, disso o ministro da Indústria do Canadá, James Moore. A empresa também se comprometeu a manter os níveis de emprego nas lojas canadenses da Tim Hortons e a expandir a rede de cafés para um presença global num ritmo muito maior do que o previsto anteriormente.

Continua após a publicidade

Atualmente, o Burger King tem sede em Miami, mas é controlado pela empresa norte-americana e brasileira 3G Capital. “Nosso governo está satisfeito em ver companhias como o Burger King investindo na economia canadense e se beneficiando dos nossos baixos impostos e mercados abertos”, disse Moore.

Segundo a lei canadense, autoridades do governo precisando avaliar os investimentos e as aquisições de ativos locais por estrangeiros afim de verificar se tais negócios são benéficos a economia do país.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade