Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Campo de Tubarão Azul, da OGX, deve ser devolvido em 2014, diz agência

A Reuters citou fontes do governo para afirmar que a devolução do poço é dada como certa - e não apenas uma possibilidade

Por Da Redação 20 ago 2013, 23h37

A devolução do campo de Tubarão Azul, na Bacia de Campos, que pertence à OGX, petroleira do grupo EBX, de Eike Batista, já é dada como praticamente certa pelo governo, segundo disse à Reuters uma fonte com conhecimento direto do assunto.

Em meio a problemas financeiros associados à crise de credibilidade do grupo e à baixa produção dos poços de Tubarão Azul, a OGX deve devolver seu único campo em produção no mar ao governo em 2014. “Nossa expectativa é que Tubarão Azul produza só até o meio do ano que vem em função do custo e da plataforma que está lá”, disse uma fonte à Reuters, que pediu para não ser identificada.

Leia também:

Crise consumiu R$ 7,6 bi das empresas X – dívida alcança R$ 25 bilhões

OSX propôs acordo ao BNDES para adiar o pagamento das dívidas

BNDES: apesar da alta de 20,4% no lucro, aportes do Tesouro devem crescer

No início de julho, a petrolífera informou que não investirá no aumento da produção de Tubarão Azul e que a extração poderá parar no ano que vem, por falta de tecnologia capaz de viabilizar economicamente investimentos adicionais. “A plataforma que está lá é uma FPSO (unidade de produção afretada), e para ela ser viável economicamente precisa de mais produção”, acrescentou a fonte, dizendo que o governo não pode obrigar a empresa a operar com prejuízo.

Segundo a fonte, a OGX tem dificuldades em manter em Tubarão Azul uma estrutura cara de produção e a situação financeira atual da companhia não permite o afretamento de uma unidade mais simples e menos onerosa para produzir no campo. “A vazão lá é baixa e não acredito que eles consigam sobreviver com essa produção, e tudo indica que eles vão querer devolver”, disse a fonte.

Continua após a publicidade

Se a devolução se confirmar, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) receberá de volta o campo e poderá colocá-lo à venda em uma futura licitação.

Leia também:

Eike assiste à implosão de seu império, afirma ‘FT’

Minoritários tentam reaver na Justiça dinheiro perdido com ‘micos’

Procurada, a assessoria de imprensa ANP afirmou que a autarquia ainda não tem uma decisão sobre o plano de desenvolvimento de Tubarão Azul, mas que uma posição poderá ser tomada em breve.

Um primeiro plano de desenvolvimento de Tubarão Azul já foi rejeitado pelo corpo técnico da ANP, segundo uma fonte da agência, que também falou na condição de anonimato.

A forma de uma eventual venda de Tubarão Azul terá que ser mais estudada, avaliou a fonte, visto que já houve atividade no campo e há informações mais precisas sobre geologia e capacidade de produção dos poços. “Com certeza, com a devolução, vai para leilão outra vez. Mas tem que ver que essa é uma área de baixa produção”, disse.

(Com Reuters)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês