Clique e assine com até 92% de desconto

Calçadistas brasileiros não gostaram do sapato chinês de Temer

A visita de Temer ao território chinês tinha o objetivo de justamente ampliar o mercado nacional e aumentar a visibilidade do produto 'made in Brazil'

Por Da redação Atualizado em 6 set 2016, 07h59 - Publicado em 6 set 2016, 07h53

Pivô de reclamações dos calçadistas brasileiros, devido à concorrência considerada desleal, o sapato chinês foi parar nos pés do presidente Michel Temer. Em visita à China, Temer comprou um par do produto chinês e fez sucesso naquele país com fotos publicadas nas redes sociais, mas indignou os fabricantes brasileiros.

A Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) pretende presentear o presidente com um sapato nacional, sem lhe cobrar nada, “para que ele possa verificar a qualidade”, disse seu presidente Heitor Klein.

Leia também
Temer compra sapatos e robô em shopping da China
‘Estou assustada’, diz vizinha de Temer que teve carro incendiado

Michel Temer foi a um shopping chinês neste sábado para comprar dois produtos que simbolizam a crise da indústria brasileira: sapatos e brinquedos. Em sua primeira viagem internacional, o peemedebista gastou o equivalente a 389 reais em um par de calçados e 195 reais em um cachorro eletrônico que fala chinês.

A marca de sapatos Satchi é sediada em Guangdong, província do sul do país que foi o destino de várias fábricas de calçados que deixaram o Rio Grande do Sul nos 1990, em um dos principais exemplos de transferência de tecnologia e de empregos do Brasil para a China. Até então, o país asiático não tinha know-how de produção de sapatos de couro.

A visita de Temer ao território chinês tinha, entre os objetivos, o de justamente ampliar o mercado nacional e aumentar a visibilidade do produto “made in Brazil”. Por isso mesmo, a compra do sapato acabou não pegando bem.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade