Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Caixa volta a elevar juro do financiamento imobiliário

O reajuste foi de 0,3 ponto porcentual em todas as formas de relacionamento com o banco e passou a valer em 13 de abril

Por Da Redação 16 abr 2015, 14h38

A Caixa Econômica Federal informou nesta quinta-feira que elevou pela segunda vez no ano a taxa de juros no financiamento de imóveis residenciais contratados com recursos da poupança (SBPE). O reajuste foi de 0,3 ponto porcentual em todas as formas de relacionamento com o banco. A taxa balcão, para clientes sem relacionamento com a Caixa, subiu de 9,15% para 9,45% ao ano, refletindo o aumento da taxa Selic em 0,5 ponto percentual em março. Para quem já tem relacionamento com o banco (correntistas, por exemplo), os juros subiram de 9% para 9,3% ao ano.

De acordo com o banco, as novas condições passaram a valer para financiamentos concedidos a partir de 13 de abril. Os clientes que recebem salário pelo banco vão pagar taxa de 9% ao ano, ante 8,7% definida em janeiro. Essa é a mesma taxa que os servidores públicos que são correntistas do banco passam a pagar. Para os servidores públicos que além de correntistas também recebem pela instituição, a Caixa cobra juros de 8,8% nos financiamentos desde segunda-feira, ante 8,5% de janeiro.

Além da taxa de juros, outra mudança significativa é a redução da cota máxima de financiamento, de 90% para 80% do valor do imóvel nos financiamentos no sistema de amortização constante (SAC) e 50% pela tabela Price nas operações do Sistema Financeiro de Habitação (SFH) – que financia imóveis até 750.000 reais em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Distrito Federal; ; nos demais Estados, o teto é de 650 mil reais.

Leia mais:

Caixa confirma alta de juros imobiliários em 2015

2015 começou com 22% dos brasileiros no cheque especial​

Os financiamentos contratados no âmbito do Programa Minha Casa Minha Vida não sofrem reajuste na taxa de juros. A taxa Selic está atualmente em 12,75% ano.

A Caixa detém quase 70% do crédito imobiliário no país e a mudança na taxa de juros praticada pela instituição tem impacto nos juros dos demais bancos e no ritmo de atividade da construção civil.

(Com agência Reuters e Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade