Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Guedes atribui marca de 40,8 milhões de empregos à vacinação

Caged apontou criação de 309 mil vagas em junho, atingindo níveis não alcançados há pelos cinco anos; o ministro da Economia comemorou o resultado

Por Luisa Purchio Atualizado em 29 jul 2021, 12h34 - Publicado em 29 jul 2021, 12h01

Os avanços da vacinação da população brasileira contra a Covid-19 e os impactos na criação de empregos foram comemorados pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, em entrevista coletiva realizada no final da manhã desta quinta-feira, 29, em divulgação do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, o Caged.

“O Brasil continua no rumo certo, vacinação em massa para garantir o retorno seguro ao trabalho, que é o que nós estamos observando. À medida que avança a vacinação em massa, o retorno seguro ao trabalho está ocorrendo, gerando novos empregos”, disse Guedes.

De acordo com os dados apresentados pela pasta, em junho o saldo líquido de empregos formais criados foi de 309.114 vagas, totalizando 40.899.685 empregos com carteira assinada. Já no primeiro semestre de 2021 foram 1.536.717 novas vagas de emprego, resultado de 9.588.085 admissões ante 8.051.368 desligamentos.

“O mercado formal atinge agora [níveis não alcançados] desde 2015, 2016, quando tivemos duas recessões autoimpostas e [perdemos] o patamar dos 40 milhões de empregos. O mercado formal brasileiro tem de novo 40 milhões e 800 mil empregos”, diz Guedes. “O desemprego foi descendo e chegou a um piso, mas reagimos. A economia está retomando o crescimento em V e produzindo um ritmo de criação de novos empregos acelerado”, disse Guedes.

Os bons resultados do mês foram atribuídos principalmente às áreas de serviços e comércio, que foram diretamente prejudicadas pelos lockdowns da pandemia da Covid-19. O saldo da criação de trabalhos com carteira assinada na área de serviços em junho foi de 125.713, enquanto no comércio foi de 72.877. Na sequência, veio a indústria, com 50.145 novos postos, a agricultura, com 38.005, e construção, com 22.460 novos postos de trabalho.

Além dos indicadores positivos, como a revisão do PIB para cima, a equipe econômica atribuiu os bons números positivos ao programa de manutenção do emprego e renda (BEm), que flexibilizou a redução de jornada e salários e a suspensão de contratos de trabalho. No ano, até o dia 25 de julho, o programa abrangeu 2,547 milhões de trabalhadores, com 3,068 milhões de acordos de suspensão ou redução de jornada de trabalho.

Contraponto

Vale lembrar que, em meio à nova metodologia adotada pelo Caged, os dados de junho de 2020 a maio de 2021 receberam ajustes. Além disso, dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, divulgada em junho pelo IBGE, manteve a taxa de desocupação no trimestre fechado em abril em 14,7%, totalizando 14,8 milhões em busca de trabalho no país, maior nível da série desde 2012.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade