Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Brumadinho: Vale perderá bilhões de dólares para investidores americanos

Mineradora estima gastar R$ 2,8 bi de reais em indenizações a famílias de vítimas e um valor sete vezes maior com estrangeiros lesados

Por Felipe Mendes Atualizado em 4 jun 2024, 14h55 - Publicado em 7 fev 2020, 06h00

Há um ano, uma avalanche de rejeitos provenientes da Barragem 1 da mina Córrego do Feijão soterrou centenas de pessoas na cidade mineira de Brumadinho. Funcionários da Vale, moradores dos arredores da instalação e até turistas em férias nas pousadas da área morreram na enxurrada de lama sem nenhum aviso prévio. Para se ter uma ideia da dimensão e complexidade do desastre, na terça-feira 4 foi encontrado um crânio daquela que deve vir a ser a 260ª vítima da tragédia — caso a identificação seja positiva, ainda restarão dez desaparecidos. Hoje, nos tribunais, a mineradora é acusada de negligência, crime ambiental, homicídio doloso e de ser responsável pelo impacto que o desastre causou a investidores mundo afora. E é justamente esse último grupo que deverá receber a maior parte das indenizações que a empresa estima desembolsar. No departamento jurídico da Vale, calcula-se que as cifras a ser pagas pela companhia a investidores que entraram com ações coletivas contra a mineradora na Justiça dos Estados Unidos cheguem a pelo menos 5 bilhões de dólares, o equivalente a mais de 21 bilhões de reais. No Brasil, a realidade é outra. A Vale firmou, até agora, 5 921 acordos com familiares de trabalhadores vitimados na tragédia. Segundo a empresa, 107 000 moradores da cidade estão recebendo auxílio emergencial mensalmente. Para esses fins, a mineradora provisionou recursos de 2,8 bilhões de reais, cerca de um sétimo do que os investidores lesados nas bolsas americanas — e seus advogados — deverão obter.

Pouco mais de dez escritórios de advo­cacia nos Estados Unidos processam a Vale em nome dos investidores estrangeiros. Mesmo que as ações da mineradora estejam com cotação próxima à dos dias anteriores ao derramamento de lama em Brumadinho — 53 reais —, eles querem reaver as perdas que os acionistas tiveram nos doze meses depois do acidente. A acusação é que a companhia e seus executivos produziram e disseminaram informações enganosas sobre o risco e dano potencial do rompimento da barragem. O Pomerantz LLP, um dos escritórios que acionaram a mineradora, inclusive, é conhecido por ter coordenado ações coletivas contra a Petrobras nas cortes americanas e conseguido um acordo de 2,95 bilhões de dólares contra a estatal devido à Lava-Jato. Os processos também miram o ex-CEO da Vale Fabio Schvartsman e o diretor de relações com investidores da empresa, Luciano Siani Pires.

Continua após a publicidade

Antes do rompimento, Schvartsman gabava-­se, em teleconferências com investidores, da reestruturação que teria promovido à frente da companhia após outra tragédia, a de Mariana. Muito do resultado positivo que a mineradora apresentava em seus números vinha do aumento ostensivo no volume de produção de suas minas. A barragem em Brumadinho, por exemplo, operava com risco de rompimento vinte vezes maior que o limite aceitável, segundo um laudo de peritos criminais da Polícia Federal em Minas Gerais divulgado em 27 de janeiro. E a Vale havia sido notificada dos riscos pela engenheira Maria Regina Moretti, da consultoria Potamos, mas ignorou as orientações.

ACOSSADO - Fabio Schvartsman, ex-CEO: um dos dezesseis indiciados por homicídio (Ueslei Marcelino/Reuters)

Em paralelo às ações nos Estados Unidos, o Ministério Público de Minas Gerais também se posicionou sobre o caso. Em 20 de janeiro, Schvarts­man e outras quinze pessoas foram indiciados por crime de homicídio doloso, aquele em que há a intenção de matar. Na lista de acusações constam ainda os crimes de falsidade ideológica e de uso de documentos falsos, de acordo com a Polícia Federal. Entre os indiciados estão seis pessoas ligadas à consultoria Tüv Süd e sete funcionários da Vale. O inquérito, que conta com 27 volumes e cerca de 6 500 páginas, acusa os funcionários de omitir e deturpar informações sobre a real situação da barragem em pelo menos duas ocasiões.

Continua após a publicidade

Enquanto a empresa contabiliza perdas, os impactos da tragédia ganham contornos ainda mais amplos. Na semana passada, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelou que o desastre fez a produção industrial do país recuar 1,1% em 2019. “Tiveram grande peso nesses resultados negativos os efeitos na indústria extrativa, em decorrência do rompimento da barragem de Brumadinho”, disse em nota André Macedo, gerente da pesquisa. À época do ocorrido, a Vale suspendeu a produção em diversas instalações no Brasil. Some-se a isso o fim das atividades de barragens semelhantes de outras mineradoras espalhadas por todo o país, por questões de segurança. Apesar do esforço da companhia, Brumadinho se tornou um espectro do qual a Vale tão cedo não vai se livrar.

Atualização de 11h30 de 7 de fevereiro de 2020

Após a veiculação da matéria no site de VEJA, a Vale publicou um posicionamento por meio de Comunicado ao Mercado nos sistemas da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A nota diz que não há qualquer provisão ou estimativa de valores relacionados a reclamações de investidores estrangeiros acerca do desastre de Brumadinho. “Na verdade, ao longo de 2019 a Vale provisiou mais de 4 bilhões de dólares para reparação e indenizações a serem feitas, exclusivamente no Brasil”, diz a nota. “As ‘complaints’ (reclamações) de investidores estrangeiros foram consolidadas em uma única class action (ação coletiva), da qual o escritório Pomerantz LLP, citado na matéria desistiu de participar. A empresa entende não haver mérito na ação e se defenderá no momento e forma adequados. Não existem valores atrelados ao pedido da class action.” A nota ainda faz referência às vítimas da tragédia de Brumadinho. “A Vale reforça seu compromisso com a reparação dos danos causados aos familiares das vítimas e aos afetados pelo rompimento da barragem de forma efetiva e abrangente”, finaliza a empresa.

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA de 12 de fevereiro de 2020, edição nº 2673

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.