Clique e assine a partir de 8,90/mês

Brasil quer negociar acordo de livre comércio com EUA

O ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro, diz que país quer se integrar de maneira "mais efetiva" à rede de acordos internacionais

Por Da Redação - 28 jun 2015, 23h37

A negociação de um acordo de livre comércio com os EUA é uma “aspiração” do governo brasileiro, ainda que não faça parte da agenda que a presidente Dilma Rousseff iniciou neste domingo no país, afirmou o ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro. A obtenção de um tratado desse tipo foi uma das principais reivindicações apresentadas à presidente por representantes de 25 empresas brasileiras com investimentos no mercado americano. Confirmando a mudança de posição do governo nessa área, Monteiro disse que o Brasil quer se integrar de maneira “mais efetiva” à rede de acordos internacionais. “O canal do comércio exterior é muito importante nesse momento. É uma prioridade irrecusável.”

No primeiro mandato de Dilma, o País ficou à margem da movimento de formação de novos blocos econômicos, dando preferência ao Mercosul. Com o fim do boom das commodities, o esgotamento fiscal e a paralisia da economia doméstica, o governo agora olha para o restante do mundo em busca denovas fontes de crescimento. Com o maior PIB do mundo e uma forte demanda por produtos industrializados, os Estados Unidos seriam um candidato natural nesse processo.

Outra demanda do setor privado apresentada hoje à presidente foi um acordo de bitributação com os EUA, que evitaria a duplicação no pagamento de impostos por empresas americanas com investimentos no Brasil e vice-versa. O interesse em um tratado do tipo aumentou nos últimos anos em razão da expansão da presença de companhias brasileiras nos EUA. “Começar a conversa sobre livre comércio entre Brasil e Estados Unidos e bitributação foram os temas apresentados (à presidente)”, disse Wesley Batista, presidente da JBS, a maior processadora de carnes do mundo, com forte presença no mercado americano. “Isso interessa a todo mundo.”

Segundo o ministro do Desenvolvimento, “enquanto não constrói um acordo amplo” com os EUA, o Brasil dará prioridade a medidas de facilitação do comércio, o que abrange harmonização de regras, redução de barreiras não-tarifárias e padronização de procedimentos alfandegários.

Na estimativa do governo brasileiro, essas mudanças poderiam aumentar em 10% o comércio bilateral, que somou 62 bilhões de dólares no ano passado. O valor é bem inferior aos embarques de 534 bilhões de dólares entre os EUA e o México, parceiros no Acordo de Livre Comércio da América do Norte.

“O acordo é uma aspiração, é o que se coloca no horizonte”, disse Monteiro, em relação a uma eventual negociação com os Estados Unidos. “Mas não temos ainda essa perspectiva no curto prazo.” O ministro ressaltou que 75% das vendas brasileiras para o mercado americano são de bens industrializados, com maior valor agregado.

Continua após a publicidade

LEIA TAMBÉM:

Levy chega em NY e nega ter descumprido ordem médica

Na quinta-feira, 25, Ben Rhodes, do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, disse que o objetivo dos Estados Unidos no comércio internacional é concluir a Parceria Transpacífica (TPP). O bloco reúne 12 países do Pacífico, entre os quais Chile, México, Peru e Colômbia. Obama obteve uma importante vitória na semana passada para avançar a negociação, com a aprovação pelo Congresso do fast track.

Esse instrumento permite que o presidente feche o acordo sem o risco de ele ser modificado pelos parlamentares, que só poderão aprová-lo ou rejeitá-lo em bloco.

A presidente dedicará a manhã da segunda-feira, 29, a encontros com pesos-pesados dos setores produtivo e financeiro americanos, em um esforço de resgatar a credibilidade da economia brasileira. Entre os interlocutores de Dilma estarão o ex-secretário do Tesouro americano Tim Geithner, o conselheiro do Citigroup, William Rhodes, e Larry Flink, da Blackrock, a maior gestora de recursos financeiros do mundo.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade