Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Brasil fará leilões de petróleo em “algumas semanas”, diz Lobão

Por Da Redação 15 jan 2012, 13h54

Por Humeyra Pamuk

ABU DHABI, 15 Jan (Reuters) – A presidente Dilma Rousseff vai autorizar o leilão da 11ª rodada de concessões de petróleo em “algumas semanas” disse à Reuters o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, neste domingo, reabrindo a exploração de petróleo no Brasil depois de mais de quatro anos.

No leilão, o Brasil espera vender os direitos para explorar petróleo e gás natural em 174 áreas, metade no mar e metade em terra.

O governo também espera lançar seu primeiro leilão pelo regime de partilha de produção na área do pré-sal na segunda metade do ano, segundo disse Lobão durante uma visita a Abu Dhabi, nos Emirados Árabes.

O leilão de partilha de produção requer a aprovação de uma nova legislação de royalties, que Lobão estima que será aprovada pelo Congresso no primeiro semestre deste ano.

Continua após a publicidade

As companhias petrolíferas que operam no país esperam produzir cerca de 7 milhões de barris de petróleo por dia até 2020, uma quantia que permitiria ao país sul-americano desafiar os Estados Unidos como terceiro maior produtor do mundo depois da Rússia e da Arábia Saudita.

De acordo com os leilões de partilha de produção, a Petrobras será a operadora única com uma participação mínima de 30 por cento em todas as áreas licitadas e os vencedores irão compartilhar a produção com o governo, que vai vender o seu petróleo por conta própria.

O Brasil interrompeu os leilões de novos campos na área do pré-sal depois de descobrir imensas reservas em águas profundas em 2007. Estima-se que há mais de 50 bilhões de barris de petróleo nesses campos, o suficiente para fornecer todas as necessidades de petróleo dos Estados Unidos, maior consumidor do mundo, por mais de 7 anos.

Lobão disse ainda que o governo pretende enviar um projeto de lei daqui a 30 dias para o Congresso para criar uma nova regulamentação para exploração de minério no país, reformando a legislação de quatro décadas.

REUTERS JR

Continua após a publicidade
Publicidade