Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Brasil entra na mira das companhias aéreas de baixo custo

Avian Lineas Aéreas, Norwegian Air, Sky Airline e Flybondi solicitaram permissão para voar no país

Quatro companhias aéreas estrangeiras estão de olho no Brasil para começar a operar voos internacionais no modelo low cost (baixo custo). A informação foi divulgada pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), responsável pela concessão de autorização para que novas empresas aéreas possam voar dentro do país.

A Avian Lineas Aéreas foi a primeira a conseguir aprovação, mas para voos não regulares. A decisão saiu julho. De acordo com a Anac, a empresa tinha interesse em iniciar suas operações no Brasil ainda em setembro.

A rota ainda não foi divulgada, mas a expectativa é de que a empresa realize o trajeto entre Buenos Aires e São Paulo. A aérea de baixo custo é uma filial da Avianca na Argentina.

Em agosto, a norueguesa Norwegian Air também conseguiu autorização da Anac. A companhia é a terceira maior empresa aérea de baixo custo da Europa.

Na época do anúncio, o porta-voz da Norwegian, Lasse Sandaker-Nielsen, descreveu o Brasil como um mercado “muito interessante”. “Acreditamos que há um grande potencial, especialmente para Londres, onde os preços estão altos e há pouca concorrência”.

As primeiras rotas serão de Londres até São Paulo ou Rio de Janeiro. A aérea ainda não definiu os preços de suas passagens.

Neste mês, foi a vez da Sky Airline solicitar autorização da Anac para voar entre Brasil e Chile, país de origem da empresa. A aérea quer começar a atuar no país a partir de novembro.

Segundo o órgão regulador brasileiro, a empresa havia demonstrado interesse no país ainda em 2013, mas realizou apenas voos não regulares. A Sky Airline já recebeu o prêmio de 7º aérea mais pontual do mundo – foram avaliadas 20 empresas pela OAG, britânica especializada em inteligência especializada em aviação.

A Flybondi, outra aérea argentina, recebeu autorização do governo para voar no Brasil. A aprovação foi em julho do ano passado. De acordo com a Anac, a empresa deve entrar com o pedido para operar no país “em breve” — se cumprir todos os prazos, a companhia deve começar a atuar em 2019.

Mais tarifas

Apesar da vantagem econômica na passagem, as empresas de baixo costumam cobrar por quase todos os serviços oferecidos a bordo. A Norwegian, por exemplo, cobra dos passageiros com bilhete aéreo LowFare até 186 reais pela alimentação. Cobertores (5 dólares ou 20 reais) e fones de ouvido (3 dólares ou 12 reais) são cobrados de todos os clientes. Outros serviços como a marcação de assento antecipada e o despacho de bagagem também são taxados, assim como ocorre nas aéreas brasileiras.

“Não fosse a desregulamentação da franquia, que desagrega os serviços prestados, essas empresas não se interessariam em vir”, afirmou o diretor presidente da Anac, José Ricardo Botelho, em março deste ano em audiência pública no Senado.

A desregulamentação permite que o passageiro escolha, por exemplo, se quer pagar pelo despacho de bagagem. Antes, o passageiro pagava pelo serviço mesmo sem utilizá-lo.

Outra mudança foi a resolução da Anac para aumentar de cinco para 10 quilos o peso máximo das bagagens de mão por passageiro. A expectativa do órgão é de que as novas políticas ofereçam maior acesso das classes C, D e E ao transporte aéreo.