Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Brasil é penúltimo de 15 países em estudo sobre competitividade

No quesito disponibilidade e custo do capital, país fica com a última colocação

Por Da Redação 14 jan 2015, 12h21

O Brasil aparece na penúltima colocação no quesito competitividade para o ambiente de negócios, segundo estudo divulgado nesta quarta-feira pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O país supera apenas a Argentina na quarta edição do ranking “Competitividade Brasil”. “Desde 2012, o Brasil fica na mesma posição na lista que, além da Argentina, inclui Colômbia, México, Polônia, Turquia, Índia, Rússia, África do Sul, Chile, China, Espanha, Austrália, Coreia do Sul e Canadá”, registra o documento.

O trabalho também revela a posição do Brasil em relação a 14 países nos fatores disponibilidade e custo da mão de obra e de capital, infraestrutura, peso dos impostos, ambientes macro e microeconômico, educação e tecnologia e inovação.

De acordo com a pesquisa, o Brasil é último colocado no quesito disponibilidade e custo do capital. “O país tem a mais alta taxa de juros real de curto prazo, de 9,7%, e o maior spread da taxa de juros, de 19,6%, percentuais cerca de três vezes superior ao registrado na Colômbia”, afirma a CNI.

Leia mais:

Empreendedores brasileiros inovam menos, mostra estudo

Continua após a publicidade

Com Dilma, Brasil cai em ranking global de competitividade

No item “ambiente econômico”, o Brasil caiu da 10ª para a 12ª colocação entre 2013 e 2014. O recuo ocorreu em função da piora do quadro econômico interno e da redução no investimento estrangeiro. “Nos demais países avaliados, o investimento estrangeiro direto aumentou. No México, por exemplo, a taxa passou de 1,08% para 2,8% do Produto Interno Bruto (PIB)”, indica o estudo.

O peso dos impostos sobre a atividade econômica levou o Brasil a ficar na 13ª posição entre os 15 países pesquisados. Apesar da colocação, o país ultrapassou a Espanha nesse item da pesquisa.

O melhor desempenho do Brasil no ranking de competitividade aparece em disponibilidade e custo da mão de obra, com o 4º lugar, atrás de México, Chile e Colômbia. A baixa produtividade do trabalhador é apontada pelo estudo como fator que impede avanços nesse quesito.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade