Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Brasil lidera ranking de maior taxa de juros real

Com manutenção da Selic, país tem a 2ª maior taxa nominal na comparação com as 40 principais economias do mundo

Por Luana Zanobia Atualizado em 7 fev 2023, 17h41 - Publicado em 7 fev 2023, 13h55

O Banco Central decidiu manter a taxa básica de juros, a Selic, no patamar atual, de 13,75%, na primeira reunião do ano, destacando “incertezas no âmbito fiscal e uma maior persistência das pressões inflacionárias globais”. Assim, o país segue nessa trajetória contracionista com elevações nos juros, que começou em março de 2021, e alcança uma das maiores taxas nominais do mundo na comparação entre as quarenta principais economias , segundo levantamento elaborado pela Infinity Asset. Atualmente o Brasil é o segundo país com a maior taxa nominal, de 13,75%, perdendo apenas para a Argentina, onde a taxa é de 75%. 

No ranking de juros reais, o Brasil figura na primeira posição. A taxa de juros reais é a taxa “a mercado”. Descontada a inflação para os próximos doze meses, a taxa de juros reais do Brasil é de 7,38%. Em seguida vêm México, com 5,53%, Chile, com 4,71%, e Colômbia, com 3,04%. Os Estados Unidos ocupam a 15ª posição, com juros reais negativos em 0,03%. A taxa de juros real fica negativa quando as projeções inflacionárias são maiores que a taxa de juros aplicada. Para reverter esse cenário, é preciso desestimular a atividade econômica via aumento de juros. O banco central norte-americano, o Fed, fez uma elevação de menor magnitude, de 0,25 ponto porcentual na primeira reunião do ano, sinalizando um relaxamento no aperto monetário, mas a forte criação de empregos no país volta a pressionar a autarquia.

No Brasil, a condução da política monetária do BC vem sendo alvo de ataques do presidente Lula. A elevada taxa de juros e as metas de inflação estabelecidas viraram alvo constante de críticas de Lula. Na segunda-feira 6, durante cerimônia de posse de Aloizio Mercadante como presidente do BNDES, o presidente chamou de “vergonha” o atual patamar da Selic. É importante ressaltar que a elevação de juros é a principal ferramenta dos bancos centrais para desaquecer a economia e controlar a inflação. O efeito dessa política, no entanto, não agrada a Lula e vai contra a proposta expansionista do seu governo. O plano de crescimento econômico via estímulos financeiros e aumento de gastos é controversa e gera maiores incertezas no âmbito fiscal, pressionando ainda mais a inflação.


Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.