Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Brasil é o 8º maior mercado de juros do mundo, diz BIS

Pesquisa realizada pelo Banco de Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês) mostra que o país é líder entre os emergentes

Ao contrário da discreta posição de 19º maior mercado de câmbio do mundo, o Brasil ocupa um lugar importante no mercado de juros. Pesquisa realizada a cada três anos pelo Banco de Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês) mostra que o mercado de juros de balcão do Brasil é o oitavo maior do mundo, o que dá ao país a posição de liderança entre todos os emergentes.

Segundo a pesquisa, são negociados 16 bilhões de dólares por dia em contratos de taxas de juros atrelados ao real brasileiro no mercado de balcão, o chamado OTC Market em inglês. Apesar de estar bem posicionado, o giro equivale a apenas 0,7% do mercado mundial, que negocia 2,343 trilhões de dólares diários.

Leia também:

Yuan entra para o ranking das 10 moedas mais negociadas

A pesquisa do BIS mostra que o giro médio do mercado de juros brasileiro cresceu fortemente nos últimos anos. Em abril de 2013, a média de 16 bilhões de dólares foi 450% maior que os 3 bilhões de dólares observados em 2010. O ritmo de crescimento foi bem maior que a média mundial, de 14%, no mesmo período. Outros mercados emergentes, porém, também cresceram com força. O mercado de juros na China viu o giro diário saltar 652% no período. Na Polônia, o volume aumentou 429%.

Entre os maiores mercados de juros do mundo, os negócios com o euro lideram e têm 1,146 trilhão de dólares em negócios por dia – ou 48,9% do mercado. Em seguida, o dólar tem 28% dos negócios.

O ranking dos principais mercados de juros do mundo têm também a libra esterlina (7,9% do giro diário), o dólar australiano (3,2%), o iene japonês (2,9%), a coroa sueca (1,5%) e o dólar canadense (1,2%). Atrás, mas bem perto do tamanho do mercado brasileiro, o mercado de juros relacionado com o rand sul-africano tem 0,68% do giro mundo, o yuan chinês acumula 0,62% e o peso mexicano, 0,41%.

(com Estadão Conteúdo)