Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Brasil deve ter pior desempenho na criação de empregos em 2016, diz OCDE

Brasil deve registrar este ano um saldo negativo de postos de trabalho de 1,6%, enquanto nos países da OCDE a previsão é de crescimento de 1,5%

Por Da Redação 7 jul 2016, 10h46

O Brasil deve ter, em 2016, o pior desempenho na criação de empregos na comparação com outros 43 países, de acordo com um estudo da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), divulgado nesta quinta-feira.

Segundo a pesquisa, intitulada “Perspectivas do Emprego 2016”, o Brasil deve registrar este ano um saldo negativo de empregos — ou seja, mais demissões que contratações — de 1,6%, enquanto nos países da OCDE a previsão é de crescimento de 1,5% dos postos de trabalho.

Conforme a OCDE, apenas quatro outros países, além do Brasil, terão saldo negativo de empregos neste ano, com quedas bem menos expressivas: Finlândia (-0,1%), Japão (-0,2%), Portugal (-0,3%) e Costa Rica (-0,9%),

Em 2017, a OCDE estima uma melhora da situação no Brasil, com previsão de crescimento de 0,7% do emprego.

No estudo, a entidade ainda prevê que a taxa de desemprego no Brasil deverá atingir 11,3% neste ano contra 8,5% em 2015 e 11,6% em 2017.

Continua após a publicidade

Leia também:

Danone compra produtora de orgânicos americana por US$ 12,5 bi

Mesmo com alta de impostos, déficit de 2017 superaria R$ 150 bilhões

Crescimento – Em junho, a entidade havia estimado, em outro estudo, que o Produto Interno Bruto (PIB) do país cairá 4,3% este ano e recuará 1,7% em 2017, devido à incerteza política e revelações de corrupção que minam a confiança do setor produtivo.

As novas projeções, que constam em relatório semestral, são bem piores do que as anteriores, divulgadas em 18 de fevereiro, quando a OCDE esperava uma retração de 4% do PIB em 2016, seguida por estabilidade em 2017.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade