Clique e assine com até 92% de desconto

Brasil deixa de representar maior fatia no lucro do Santander

Subsidiária brasileira teve resultado líquido de 5,85 bilhões de reais em 2014, alta de 1,8%; mas lucro do banco espanhol agora é liderado pelo Reino Unido

Por Da Redação 3 fev 2015, 13h26

O Santander Brasil teve lucro líquido de 5,85 bilhões de reais em 2014, alta de 1,8% ante 2013. Com o resultado, o país deixou de liderar a geração de lucro para o banco espanhol pela primeira vez desde 2010. O Brasil foi responsável por 19% do resultado da instituição no ano passado, empatando em termos porcentuais com o Reino Unido. Mas em valores, o lucro do Santander UK superou o lucro do Santander Brasil em 18 milhões de euros.

No quartro trimestre de 2014, o lucro líquido do Santander ficou em 1,52 bilhão de reais, alta de 7,95% ante saldo positivo de 1,41 bilhão de reais no mesmo período de 2013. Na comparação com os três meses anteriores, houve aumento de 3,9%. No critério societário, o lucro do grupo espanhol ficou em 578 milhões de reais entre outubro e dezembro, salto de 15,6% sobre o saldo positivo de 500 milhões de reais um ano antes. Na comparação com o terceiro trimestre, o crescimento foi de 7,63%.

Leia também:

Em ano de economia fraca, lucro do Bradesco sobe 26,5% em 2014

Petrobras publica balanço sem as perdas por corrupção

OGPar tem lucro de 9,35 bilhões de reais no 3º trimestre

Crédito – A carteira de crédito do Santander totalizou 310,59 bilhões de reais no quatro trimestre, alta de 11% nos últimos doze meses. Na comparação com os três meses anteriores, o aumento foi de 6%. O segmento pessoa física teve evolução de 4% em doze meses, fechando dezembro com 78,29 bilhões de reais. O segmento de grandes empresas avançou 22,4%, para 98,70 bilhões de reais. Já a carteira de crédito para pequenas e médias empresas recuou 5,8% em 2014, para 31,76 bilhões de reais, na mesma base de comparação.

O patrimônio líquido do banco espanhol totalizou 50,45 bilhões de reais entre outubro e dezembro, queda de 5,6% sobre um ano antes. Na comparação com os três meses anteriores, houve variação negativa de 0,1%. O retorno sobre o patrimônio líquido médio (ROAE), excluindo o ágio, alcançou 12,1% no quatro trimestre, depois de ficar em 11,6% no terceiro trimestre e em 10,5% em igual período do ano anterior. Já os ativos totais somaram 589,956 bilhões de reais ao final de dezembro, alta de 21,4% na comparação anual e de 14,6% na comparação trimestral.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade