Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Brasil apoia criação de banco de desenvolvimento do Brics

Proposta, ainda embrionária, será debatida na reunião do grupo de potências emergentes na próxima semana em Nova Delhi, na Índia

O Brasil apoia a criação de um banco de desenvolvimento dos Brics – bloco integrado pelo país, além de Rússia, Índia, China e África do Sul. A proposta será debatida na reunião do grupo de potências emergentes na próxima semana em Nova Delhi, informou nesta sexta-feira o ministro de Indústria e Comércio, Fernando Pimentel.

“O principal ponto da agenda (na quarta reunião dos Brics, que acontece na quinta-feira) é a proposta de criar um banco dos Brics, um banco internacional, de investimento desses cinco países”, explicou durante coletiva de imprensa com correspondentes estrangeiros. “Temos muito interesse nesta reunião”, acrescentou o ministro, que advertiu que a proposta de criação do banco, que será impulsionada pela Índia, está ainda em etapa inicial e não foi ainda detalhada quanto a suas características operacionais nem em termos de recursos.

Está previsto que os presidentes dos bancos de desenvolvimento dos cinco países firmem em Nova Delhi “os memorandos de entendimento para começar o processo de construção desse banco dos Brics”, disse o ministro, ao ser interrogado sobre se a iniciativa tem apoio dos cinco países.

O ministro fez questão de enfatizar que a criação dessa instituição financeira “não é um abandono dos mecanismos multilaterais”, como o Banco Mundial (BM) e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), mas sim uma resposta às necessidades econômicas atuais. Segundo Pimentel, o BM e o BID possuem funções específicas que cumprem bem, como o financiamento de países de renda mais baixa e de obras de saneamento, mas explicou que as necessidades atuais vão mais além.

“O que será discutido é a possibilidade de criar um banco de desenvolvimento do Brics para projetos de infraestrutura e desenvolvimento, não só nesses países, mas também em países em desenvolvimento”, explica a subsecretária-geral de Política do Ministério de Relações Exteriores, Maria Edileuza Fonteneles.

A diplomata insistiu que essa é uma ideia muito embrionária e que da reunião deverá resultar apenas um “anúncio de intenção”, bem como a criação de um grupo técnico para definir objetivos e detalhes.

Pimentel também pediu a rápida criação do Banco do Sul para países sul-americanos, pendente de aprovação no Congresso.

(com Agence France-Presse)