Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Braga convida ex-chefe da CCEE para a secretaria-executiva de Minas e Energia

Três fontes já haviam antecipado à Reuters que Luiz Eduardo Barata seria escolhido para assumir o lugar de Márcio Zimmermann

Por Da Redação 7 Maio 2015, 17h25

O ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, convidou o ex-presidente da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) Luiz Eduardo Barata para ser o novo secretário-executivo da pasta, informou nesta quinta-feira a assessoria de imprensa do ministério. Barata substituirá Márcio Zimmermann, que está deixando o ministério para assumir a presidência da Eletrosul, subsidiária da Eletrobras.

Pela manhã, três fontes anteciparam à agência Reuters que Barata seria nomeado como secretário-executivo de Minas e Energia. O ex-presidente da CCEE participou das negociações dos três empréstimos emergenciais do setor bancário às distribuidoras de energia, liberados em 2014, que somaram 17,8 bilhões de reais.

Em março deste ano foi aprovado um novo empréstimo no valor de 3,4 bilhões de reais. Os recursos serão utilizados pelas distribuidoras de energia para o pagamento de despesas referentes a operações no mercado de curto prazo realizadas entre novembro e dezembro de 2014.

Leia mais:

Relatório do TCU aponta responsabilidade do governo por crise de energia

Venezuela vai racionar energia para tentar conter apagões

Perfil – O ex-presidente da CCEE ganhou a confiança do ministro de Minas e Energia logo nas primeiras semanas de Braga no comando da pasta, durante o processo de negociação do último empréstimo dos bancos para cobrir a dívida das distribuidoras de energia no mercado de curto prazo.

Tido por colegas de setor elétrico como um técnico muito organizado, Barata é próximo dos agentes do mercado, uma vez que a CCEE é o órgão responsável pela contabilização e liquidação dos contratos de energia no mercado de curto prazo. Além disso, a CCEE realiza junto com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) os leilões de energia.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade