Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bradesco tem lucro líquido de R$ 4,12 bi no terceiro trimestre

Número representa um acréscimo de 6,3% em relação a igual período do ano passado; receitas maiores com juros e tarifas compensaram o aumento da inadimplência

O Bradesco, segundo maior banco privado do país em ativos, informou nesta quinta-feira que teve lucro líquido de 4,12 bilhões de reais no terceiro trimestre, o que representa uma alta de 6,3% ante igual período de 2014. Excluindo efeitos extraordinários, o lucro ajustado do banco foi de 4,53 bilhões de reais no período, acréscimo de 14,8% sobre um ano antes. O resultado veio ligeiramente melhor do que o esperado pelo mercado, de lucro de 4,43 bilhões de reais.

O resultado positivo é reflexo das receitas maiores com juros e tarifas, que conseguiram compensar o aumento das despesas para calotes, que avançaram como consequência da economia em recessão.

Apesar da expansão fraca dos financiamentos, no fim de setembro, a carteira de crédito somava 474,48 bilhões de reais, avanço de 6,8% em doze meses. Entre os destaques nas linhas de empréstimos estava a de operações no exterior para pessoas jurídicas, que disparou 53,7% no acumulado dos últimos doze meses, impactada pela alta do dólar. Também tiveram alta o crédito imobiliário (26,6%) e o consignado (16%).

O banco também viu sua receita com tarifas e serviços, como as de conta corrente e de cartões de crédito, evoluir 13,1% na comparação ano a ano, para 6,38 bilhões de reais. Por fim, o braço de seguros do conglomerado teve um lucro 24,5% maior no comparativo anual, inflado por maiores receitas com prêmios e receitas financeiras crescentes.

Com isso, o Bradesco conseguiu cobrir a alta de 8,5% da provisão para perdas com calotes na comparação trimestral e de 15,1% ante o mesmo período de 2014, para 3,85 bilhões de reais. O índice de inadimplência acima de noventa dias atingiu 3,8% no trimestre, ante 3,7% no trimestre anterior e 3,6% um ano antes. É o maior nível desde o primeiro trimestre de 2013.

Leia também:

Contas do governo têm pior resultado em 19 anos no acumulado de 2015

Bancos públicos e privados também são rebaixados por S&P

Doleiros estão também entre os maiores devedores da União

(Com agência Reuters)