Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bradesco e Claro fecham parceria para pagamento móvel

As empresas não divulgaram data de lançamento de produtos, mas afirmaram que ações serão disponibilizadas em breve

O banco Bradesco e a operadora de telefonia Claro firmaram acordo para atuar no segmento de pagamentos móveis (m-payment). Segundo executivos das empresas, os produtos da parceria estarão disponíveis aos clientes a partir do ano que vem.

Dentre as iniciativas em desenvolvimento conjunto estão um cartão pré-pago ‘moedeiro cobranded‘ – um cartão pré-pago vinculado a uma linha de celular – e o uso de tecnologia sem contato – que permite transações simplificadas, troca de dados e conexões sem fio entre dois dispositivos próximos (NFC, na sigla em inglês) – nas transações com cartões do Bradesco nos aparelhos da Claro.

Bradesco e Claro já tinham uma joint venture em mobile payment operator (MPO), acertada no fim do ano passado. “A união da expertise de bancos e operadoras pode viabilizar a realização de pagamentos móveis em escala no país”, disse em comunicado Carlos Zenteno, presidente da Claro Brasil.

O chamado ‘moedeiro cobranded‘ deve ser lançado no início do segundo trimestre de 2013. A tecnologia sem contato estará disponível a partir do segundo semestre, conforme Marcio Parizotto, diretor de produtos do Bradesco Cartões. De acordo com o executivo, o cartão pré-pago terá bandeira nas transações que a exigem, mas Parizotto não revelou qual será a empresa emissora. Ele esclareceu que emissão do cartão será opcional, sob decisão do cliente.

Independentemente da publicação das regras para os meios de pagamentos móveis, o moedeiro e o NFC serão lançados em 2013, de acordo com Marcelo Noronha, diretor executivo do Bradesco. “Se a regulamentação vier, será excelente.”

Leia também:

Lei sobre pagamento por dispositivos móveis deve sair em breve

Noronha também destacou que o atual ambiente regulatório é propício e que as tecnologias desenvolvidas em conjunto por Bradesco e Claro vão ao encontro dos anseios dos reguladores. Sobre o resultado financeiro da parceria, haverá um compartilhamento de 50% para cada empresa, relatou Parizotto.

(com Estadão Conteúdo)