Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

BP Biocombustíveis vende ativos de unidade de Campina Verde

Por Eduardo Magossi

São Paulo – A BP Biocombustíveis Brasil anunciou nesta terça-feira a venda de equipamentos e do canavial de sua unidade de Campina Verde para o grupo Bunge. O valor do negócio não foi revelado.

O projeto de construção de uma nova usina, no município de Campina Verde, no triângulo mineiro, foi adquirido pela BP no início de 2011 juntamente com outras duas usinas em operação da Companhia Nacional de Açúcar e Álcool (CNAA).

Esta decisão é resultado de uma revisão do portfólio de ativos em cana-de-açúcar e o ajuste estratégico do projeto em relação à agenda de crescimento da BP Biocombustíveis. Em nota, o presidente da BP Biocombustíveis, Mário Lindenhayn, afirma que a empresa continua comprometida com a expansão das atividades nos Estados de Minas Gerais e Goiás.

A estratégia da BP é quadruplicar sua produção de cana-de-açúcar no Brasil até 2017 com investimentos em novos greenfields e na expansão das atuais unidades existentes. Com a venda de Campina Verde, a BP permanece com outro projeto greenfield no triângulo mineiro, localizado em Tupaciguara, onde estão programados investimentos de mais de R$ 1 bilhão para processar 5 milhões de toneladas.

Em 2011, a BP passou por um processo de consolidação nas usinas em que já possuía participações. No período, a BP aumentou sua participação para 100% na Tropical Bioenergia, localizada em Edeia, em Goiás, e também em 100% na CNAA, que possuía duas usinas em operação (Itumbiara e Ituiutaba) e o greenfield (Campina Verde), que foi vendido. Nas duas operações investiu cerca de US$ 750 milhões.

Em 2011 e 2012, a empresa também investiu R$ 100 milhões em melhorias nas unidades de Ituiutaba (MG) e Itumbiara (GO), além de R$ 70 milhões na Tropical, em Edéia (GO).

No final de abril, a BP Biocombustíveis Brasil anunciou que irá investir US$ 50 milhões em conjunto com o Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo no financiamento de pesquisas em temas relacionados à bioenergia em universidades e entidades de pesquisa paulistas. A BP foi a primeira petroleira a entrar no mercado de etanol brasileiro.