Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bovespa pega carona no otimismo externo e abre em alta

Investidores mostram ânimo com promessas de progresso na Europa

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) pegou carona no otimismo dos mercados internacionais e abriu o pregão desta terça-feira em alta. Às 10h26, o índice Bovespa (Ibovespa) subia 1,71%, aos 54.665 pontos.

Os investidores estão mais dispostos em comprar ativos de risco na esperança de que progressos serão feitos para a Europa lidar com a sua crise das dívidas. Contudo, não há nenhuma certeza de que os ganhos serão mantidos até o fim do pregão. Enquanto isso, os desdobramentos das negociações entre líderes europeus e a agenda econômica dos Estados Unidos concentram as atenções.

“A Bolsa está sendo movida por muita especulação”, avalia o gestor de renda variável da Máxima Asset Management, Felipe Casotti. Para ele, boatos sobre o salvamento do sistema financeiro europeu e um resgate ordenado da Grécia alimentam o apetite por ativos mais arriscados, mas em cima de uma base frágil. “Existe um esforço mundial para que se encontre uma solução e essa pressão traz alívio, mas não caracteriza nada”, acrescenta o profissional, para quem a Bolsa deve seguir com alta volatilidade. “Uma abertura em alta não significa uma direção positiva para o restante do dia”, conclui.

Mercados internacionais – Nas bolsas europeias, o otimismo do mercado era ainda mais evidente. O índice DAX, de Frankfurt, subia 4,59%, seguido pelo CAC 40, da bolsa de Paris, com alta de 4,44%. Na Itália, o FTSE Mib também se destacava, com avanço de 3,88%. Em Londres, o FTSE 100 mostrava uma elevação de 3,10%. Por fim, em Madri, o índice da bolsa espanhola, o Ibex 35, registrava um acréscimo de 3,05%.

Nos Estados Unidos, o ânimo dos investidores não era tão expressivo, mas ainda assim as bolsas operavam confortavelmente em terreno positivo. O Dow Jones tinha alta de 1,94%, seguido pelo S&P 500, com valorização de 1,84%. Por fim, o índice da bolsa eletrônica, o Nasdaq, apontava uma elevação de 1,44%.

(com Agência Estado)