Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

BOVESPA-Índice sobe mais de 1% atento a exterior e ata do Copom

Por Da Redação 28 jul 2011, 11h54

SÃO PAULO, 28 de julho (Reuters) – O principal índice das ações domésticas subia após a abertura da sessão desta quinta-feira, num movimento de recuperação técnica após na véspera ter tombado ao menor nível em mais de um ano.

Setores recentemente golpeados eram os que apresentavam o melhor desempenho, como os de construção, consumo e industrial. Segundo operadores, parte dessa melhora, especialmente nesses segmentos, pode ser atribuída à perspectiva de que o Banco Central (BC) não eleve mais o juro neste ano, visão entendida por investidores com base na ata do Copom divulgada nesta manhã.

Às 11h53, o Ibovespa avançava 1,23 por cento, a 59.006 pontos. O volume financeiro da bolsa somava 1,8 bilhão de reais.

Na véspera, o índice fechou no menor patamar desde 20 de maio de 2010, reagindo à fraqueza nas bolsas internacionais em meio ao impasse de dívida nos Estados Unidos.

Nesta sessão, contudo, os pregões em Wall Street operavam no azul, calcados na avaliação de que a economia não está tão ruim quanto o temido, após dados sugerirem alguma melhora nos mercados de trabalho e imobiliário.

“Deu uma melhorada lá fora e isso está ajudando nosso mercado”, disse economista-chefe do Banco Fator, José Francisco de Lima Gonçalves.

Segundo o economista, o bom desempenho da bolsa brasileira está tendo suporte extra na perspectiva de que BC possa não subir o juro neste semestre, o que, em tese, é benéfico para o balanço das empresas.

Continua após a publicidade

“O pessoal está duvidando de mais altas de juros. Acho que está uma situação aqui em que o BC não vai forçar a economia para baixo”, acrescentou.

Na ata da reunião em que elevou a Selic de 12,25 para 12,50 por cento ao ano, na semana passada, o Comitê de Política Monetária (Copom), com um tom considerado mais suave, disse ver melhores perspectivas para a inflação desde junho. Com isso, o mercado começou, mesmo que sutilmente, a reforçar um pouco a perspectiva sobre a possibilidade de o ciclo de aperto monetário ser interrompido em agosto.

Do lado imobiliário, Rossi Residencial subia 3,52 por cento, para 11,75 reais; enquanto PDG Realty ganhava 3,06 por cento, a 8,09 reais.

No fronte de consumo, Lojas Renner avançava 0,66 por cento, para 54,66 reais.

A maior alta do índice cabia a Redecard , que tinha ganho de 4,80 por cento, para 26,20 reais. Na noite de quarta-feira, a empresa de meios de pagamento eletrônicos reportou lucro líquido de 322,6 milhões de reais no segundo trimestre.

Apesar da queda de 13,9 por cento em relação aos 374,6 milhões de reais um ano antes, o balanço foi bem recebido, uma vez que os agentes previam um lucro ainda menor.

(Reportagem de José de Castro e Luciana Lopez; Edição de Patrícia Duarte)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês