Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

BOVESPA-Índice opera sem tendência, à espera de anúncios no Brasil

SÃO PAULO, 3 Mai (Reuters) – A bolsa brasileira operava sem tendência definida no pregão desta quinta-feira, após dados melhores que o esperado nos Estados Unidos, mas com investidores ainda à espera de anúncios sobre a caderneta de poupança no Brasil.

Às 13h05, o Ibovespa caía 0,61 por cento, a 62.044 pontos. O giro financeiro do pregão era de 3,058 bilhões de reais.

Nos mercados externos, o comportamento também era indefinido, com o índice norte-americano Dow Jones em queda de 0,34 por cento, e o europeu FTSEurofirst com leve alta de 0,06 por cento.

“No início do dia os dados de desemprego nos EUA favoreceram, mas logo depois o mercado reverteu com as expectativas de mudança na caderneta de poupança”, afirmou o sócio-diretor da AZ Investimentos, Ricardo Zeno.

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego nos EUA caíram para 365 mil, na semana passada, ante expectativa de 380 mil solicitações.

No Brasil, há a expectativa de que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, anuncie mudanças nas regras da caderneta de poupança, abrindo caminho para que o Banco Central reduza ainda mais a taxa básica de juros, segundo informaram duas fontes do governo à Reuters, na véspera.

“Mas o mercado ainda está sem sustentação. Faltam notícias positivas. Vemos melhora lenta na economia norte-americana, mas o investidor não consegue visualizar isso para a zona do euro”, ressaltou Zeno.

Entre as ações do Ibovespa, o destaque de baixa ficava com Gerdau, com queda de 2,41 por cento, a 17,38 reais, e Metalúrgica Gerdau, com perdas de 3,36 por cento, a 22,70 reais.

A siderúrgica registrou lucro líquido de 397 milhões de reais no primeiro trimestre, queda de 3 por cento em relação ao mesmo período do ano passado e de 16 por cento ante o trimestre imediatamente anterior.

As blue chips também exerciam pressão negativa, com a Petrobras, caindo 1,91 por cento, a 21,58 reais, enquanto a Vale recuava 0,91 por cento, a 41,42 reais.

Na outra ponta, as construtoras respondiam pela principal influência positiva, com Gafisa em alta de 4,9 por cento, a 3,85 reais, seguida por Rossi, com ganhos de 4,87 por cento, a 8,40 reais, e PDG Realty, com valorização de 4,03 por cento, a 4,90 reais.(Por Roberta Vilas Boas; Edição de Vivian Pereira)