Clique e assine a partir de 9,90/mês

BOVESPA-Índice opera em baixa com por cenário europeu

Por Da Redação - 13 jan 2012, 11h56

SÃO PAULO, 13 Jan (Reuters) – A bolsa brasileira operava em queda na manhã desta sexta-feira, tendo piorado o comportamento após a informação de que a agência de classificação de riscos Standard & Poor’s poderá reduzir os ratins de países da zona do euro.

Às 12h50, o Ibovespa recuava 1,28 por cento, a 59.152 pontos. O giro financeiro do pregão era de 1,61 bilhão de reais.

Nos mercados externos o comportamento também é de baixa, com o índice norte-americano Dow Jones recuando quase 1 por cento, e o europeu FTSEurofirst perdendo 0,35 por cento.

No início das negociações, o Ibovespa operou sem tendência, mas firmou a queda após uma fonte sênior da zona do euro dizer que a S&P deve reduzir muitos países da zona do euro nesta sexta-feira, com exceção da Alemanha.

Para Guilherme Sand, da Solidus Corretora, o mercado está muito focado em problemas no mercado externo. Entre as ações do índice, ele ressaltou que a Vale está “estranha” nos últimos dias, o que pode estar ligado ao vencimento de opções sobre ações na segunda-feira.

Flavio Barros, gestor da Grau Gestão de Ativos, lembrou que a bolsa já subiu muito nos últimos dias, em um movimento que considerou exagerado.

Continua após a publicidade

“Recentemente o índice subiu muito, e acho que a reação foi exagerada frente às boas notícias. Ainda há assuntos por aí que geram preocupação no mercado”, disse.

A ação preferencial da Vale era a que mais contribuía individualmente para a queda no índice, com recuo de 1,17 por cento, a 38,90 reais.

A preferencial da Petrobras também exercia forte contribuição, registrando queda de 0,61 por cento, a 22,94 reias.

Entre os setores, siderurgia tinha influencia negativa, com a ação ordinária da Usiminas recuando 3,37 por cento, e a preferencial em baixa de 2,38 por cento.

Na outra ponta, Vanguarda operava em alta de 5,56 por cento, a 0,38 real, após o leilão de venda pelo BTG Pactual. Segundo dados da BM&FBovespa, o leilão movimentou 112,111 milhões de reais, com um total de 295.029.700 ações negociadas a um preço de 0,38 cada.

TAM também tinha alta, de 1,47 por cento, a 37,34 reais, após divulgar uma nova estimativa de sinergias para a fusão com a LAN, para algo entre 600 milhões e 700 milhões de dólares, ante previsão inicial de 400 milhões de dólares.(Por Roberta Vilas Boas e Guillermo Parra-Bernal; Edição de Sérgio Spagnuolo)

Continua após a publicidade
Publicidade