Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Bovespa abre em forte alta e pode buscar 57 mil pontos

Por Da Redação
3 ago 2012, 10h11

Por Olivia Bulla

São Paulo – A criação de postos de trabalho acima do esperado nos Estados Unidos em julho é a senha que os mercados financeiros globais esperavam para confirmar a tendência de recuperação sinalizada para o dia. Ainda assim, o número foi insuficiente para melhorar a taxa de desemprego norte-americana que, ao contrário da expectativa de manutenção, subiu, mantendo em aberto a possibilidade de estímulos adicionais por parte do Federal Reserve – talvez em setembro. Na Europa, os investidores fazem uma reavaliação da reação ao Banco Central Europeu (BCE), na quinta-feira, o que também aguça o apetite por ativos de risco. Por volta das 10 horas, o Ibovespa subia 1,41%, aos 56.303 pontos, na pontuação máxima.

“Hoje é o dia da alta”, comentou um operador da mesa de renda variável, lembrando que nos quatro pregões desta semana a Bolsa teve um dia de valorização, seguido por um de desvalorização, por duas vezes consecutivas. O problema, salienta o profissional que falou sob a condição de não ser identificado, é que as perdas foram mais acentuadas do que os ganhos. Tanto que, para conseguir encerrar a semana no zero a zero, o Ibovespa precisa subir quase 2% nesta sexta-feira.

Essa missão, contudo, não parece ser tão impossível, diante do avanço dos índices futuros das Bolsas de Nova York e das principais bolsas europeias. Ainda assim, afirma o mesmo operador, não deve ser capaz de demover a Bovespa do intervalo entre os 52 mil e os 57 mil pontos, no qual está encrostada desde meados de maio.

No horário acima, o futuro do S&P 500 subia 1,40%, acentuando a alta após a criação de 163 mil vagas de emprego nos EUA em julho, acima da previsão de +95 mil. O ritmo de contratação, porém, falhou em reduzir a taxa de desemprego do país, que subiu a 8,3% ante junho, contrariando a previsão de estabilidade em 8,2% e alcançando o nível mais alto em cinco meses. Além disso, o payroll de junho foi revisado para baixo, mostrando a abertura de 64 mil vagas, de +80 mil postos de trabalho originalmente.

Continua após a publicidade

“O mercado de trabalho permanece como o principal entrave a ser superado na economia dos EUA e a redução da taxa de desemprego – como consequência dos ganhos de postos de trabalho – afeta diretamente a cadeia de consumo, principal artífice do crescimento e aquecimento econômico norte-americano”, comenta, em relatório, o economista sênior da Cruzeiro do Sul Corretora, Jason Vieira.

Já na Europa as bolsas de Frankfurt e de Paris subiam quase 3%, enquanto em Madri e em Milão os ganhos superavam até 4%. Além de dados melhores que o esperado sobre a atividade no setor de serviços na zona do euro e quanto às vendas no varejo dos 17 países da região, os investidores fazem uma segunda leitura das declarações do presidente do BCE, Mario Draghi, na quinta-feira.

Após o comandante da autoridade monetária ter dito que qualquer compra adicional de bônus para combater a crise da zona do euro estaria concentrada nos títulos da dívida de curto prazo, os investidores resolveram se desfazer dos papéis de dois anos da Espanha. Mais cedo, o yield desses papéis caíam cerca de 0,50 ponto porcentual e o de 10 anos era negociado abaixo de 7%. Os retornos dos vencimentos italianos também estavam mais suaves.

Internamente, o grande evento do dia está reservado somente para após o fechamento dos mercados domésticos, quando a Petrobras divulga o balanço financeiro do segundo trimestre deste ano, que deve ser o pior resultado trimestral desde 2002, com quedas ao redor de 70% em relação ao igual período de 2011 e aos três primeiros meses de 2012, segundo levantamento da Agência Estado.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.